São Paulo terá série de mutirões de saúde durante 2007

A informação foi confirmada durante coletiva de imprensa no Hospital Infantil Darcy Vargas

sex, 13/04/2007 - 15h09 | Do Portal do Governo

O governador José Serra anunciou na manhã desta sexta-feira, 13, que São Paulo tem programado ainda neste ano pelo menos mais três mutirões de saúde na rede estadual. A informação foi confirmada durante coletiva de imprensa no Hospital Infantil Darcy Vargas, no bairro do Morumbi, zona Sul da Capital, onde Serra revelou os detalhes do primeiro mega-mutirão da série marcado para este sábado, 14, em todo Estado.

“Este é apenas o primeiro de muitos que faremos em parceria com as prefeituras e instituições filantrópicas”, garantiu o governador. Um dos próximos, adiantou ele, é o mutirão de mamografia, que o governo do estado deve fazer em conjunto com a prefeitura de São Paulo.

Como afirmou Serra, a força-tarefa comandada pela Secretaria Estadual de Saúde permitirá a diminuição de filas nas consultas, exames e cirurgias. “Os mutirões são o procedimento legitimo e importante dentro do sistema de saúde brasileiro”, defendeu. O governador lembrou que os atrasos no sistema de atendimento se acumulam por diversas razões, entre elas, a falta de repasses do SUS (Sistema Único de Saúde).

Serra recordou que os mutirões foram intensificados no final da década de 90, quando ele, então ministro da Saúde do governo Fernando Henrique Cardoso, incentivou a prática. “Foram feitos vários mutirões como o da catarata, de próstata, exames de câncer de colo do útero, entre outros. Todos deram muito certo”, frisou.

O governador abordou ainda a questão do tempo de espera para cirurgias na rede estadual. Serra informou que os procedimentos de alta complexidade – cirurgia de ponte de safena, por exemplo – demoram em média 30 dias.

“Na Inglaterra, para operar o menisco do joelho o paciente aguarda pelo menos seis meses. É o mesmo tempo de espera para fazer uma cirurgia de catarata no Canadá. Já para se colocar uma ponte se safena no Canadá a demora é de um ano. Os dois países têm o melhor sistema de saúde pública do mundo e apesar disso há demora”, comparou.

Críticas ao SUS

Serra também fez críticas ao método de remuneração empregado pelo SUS no repasse as instituições de saúde. “O sistema estimula mais as cirurgias de alta complexidade do que média ou baixa complexidade. Ou seja, é mais fácil fazer uma cirurgia do coração do que de hérnia nessa estrutura do SUS, o que deveria ser corrigido”, advertiu.

O governador explicou que o déficit de repasse do SUS ao Estado está em cerca de R$ 300 milhões por ano. Com o valor, seria possível, na avaliação de Serra, manter o sistema funcionando em “plena carga”. Segundo o governador, o que São Paulo espera do governo federal é o cumprimento da emenda constitucional 29, que prevê índices mínimos para a destinação do gasto público em Saúde no Brasil – 15% no caso dos municípios e 12% no caso do Estado. “São Paulo cumpre integralmente a emenda e sei que muitos municípios também, não posso dizer o mesmo do governo Federal”, lamentou Serra.

Darcy Vargas

Após a coletiva, o governador José Serra e o secretário estadual da Saúde, Luiz Roberto Barradas, visitaram as dependências do hospital Darcy Vargas, responsável pelo atendimento de 18 mil pacientes/mês e com 117 leitos. Serra foi recebido por um grupo de crianças especiais, portadores de síndrome de down. Ele conversou com garotos na enfermaria e conheceu a sala de fisioterapia, recentemente inaugurada, e também a brinquedoteca da unidade.

De acordo com informações do diretor do Darcy Vargas, Sérgio Sarrobo, cerca de 400 crianças portadoras da síndrome de down realizam exames periódicos na unidade. “Hoje todos vieram até a unidade para mais uma série de atividades”, esclareceu Sarrobo.

Cleber Mata

Leia também:

São Paulo promove mutirão de saúde para atender 100 mil pessoas

Veja a relação completa com endereço das unidades que participam do Mutirão da Saúde neste sábado, 14, e também os exames oferecidos.

Veja íntegra da coletiva concedida pelo governador sobre mutirão