São Paulo e Buenos Aires vão trabalhar juntos no Agronegócio do gado bovino

nd

ter, 29/08/2000 - 20h24 | Do Portal do Governo

O governador Mário Covas fez o encerramento do seminário “Cadeia Produtiva da Pecuária Bovina no Mercosul”, realizado nesta terça-feira, dia 29, na Assembléia Legislativa. Organizado pelos legislativos do Estado de São Paulo e da Província de Buenos Aires, o seminário reuniu autoridades e empresários dos dois países, entre eles o secretário geral da Presidência da Argentina, Jorge de la Rúa.
O resultado foi uma declaração conjunta que tem como objetivo estabelecer estratégias para ações coordenadas visando o desenvolvimento da cadeia produtiva carne – couro – calçado e uma maior participação conjunta no mercado globalizado. “Fazer São Paulo tem o mesmo valor de se fazer São Paulo”, disse Covas numa alusão ao “Pensando São Paulo”, lema do Fórum do Século 21 que a Assembléia vem promovendo. “Se fizermos isso junto com nossos irmãos do Mercosul produziremos frutos cada vez mais significativos”, acrescentou. O governador lembrou que Brasil e Argentina não podem oferecer os mesmos benefícios fiscais que outros países oferecem. “Trabalhando unidos poderemos vencer desafios”.
Segundo o secretário de Agricultura e Abastecimento, João Carlos de Souza Meirelles, a cadeia produtiva da pecuária bovina é a que mais empregos oferece no País. São mais oito milhões de vagas, desde a criação, abate, comércio de carne e indústrias do couro e calçados. “A carne brasileira e a argentina não competem entre si e o objetivo é que São Paulo e Buenos Aires trabalhem juntos na conquista de novos mercados”, explicou Meirelles. Em entrevista, o secretário assegurou que o gado paulista está protegido contra a febre aftosa e que o Estado não está recebendo boi vivo ou com osso.
O presidente da Assembléia Legislativa de São Paulo, deputado Vanderlei Macris, apresentou a declaração conjunta com os resultados do Seminário. “Essa união de esforços entre os governos e as casas legislativas é fundamental para a economia do Mercosul”, afirmou. Os principais pontos do documento são: a participação de representantes oficiais e da iniciativa privada no desenvolvimento de ações para a cadeia produtiva; definir programas de capacitação técnica e treinamento profissional; definir sistemas de acompanhamento e divulgação de dados e informações sobre os mercados; promover eventos conjuntos para a promoção dos produtos; propiciar celebração de convênios e acordos de cooperação técnica entre organismos oficiais e privados entre os dois países, criando um comitê para buscar maior inter-relação entre todos os interessados.