Reforma da Unidade de Queimaduras do HC é concluída

O atendimento é realizado em condição de emergência e assistência ambulatorial

ter, 24/06/2008 - 13h18 | Do Portal do Governo

A Unidade de Tratamento de Queimaduras do Instituto Central do Hospital das Clínicas (HC), da Faculdade de Medicina da USP, acaba de concluir reforma que modernizou suas instalações. As obras possibilitaram a criação de sala de fisioterapia específica para atendimento do paciente internado. Segundo o responsável pelo setor, o cirurgião plástico David Gomez, os exercícios de fisioterapia e terapia ocupacional ajudam a prevenir seqüelas nos pacientes. A imobilidade dos segmentos articulares pode provocar rigidez nas articulações, causando posterior limitação funcional de movimentos.

Além disso, os quartos foram remodelados, assim como outros setores. O centro cirúrgico, por exemplo, recebeu melhorias a fim de continuar apto à realização de avançados procedimentos de transplante de pele. São atendidos, em média, 250 casos por mês de vítimas de queimaduras de segundo e terceiro graus, causadas por agentes térmicos, elétricos e químicos.

Elas destroem a pele em extensão variável, podendo levar a graves incapacidades e, até mesmo, à morte. O atendimento é realizado em condição de emergência e assistência ambulatorial. A unidade possui 18 leitos: seis na UTI, usados para tratamento da fase aguda da doença, e 12 destinados a tratamento imediato.

Assistência integrada – Segundo o titular da disciplina de cirurgia plástica da FMUSP e diretor da Divisão de Cirurgia Plástica e Queimaduras do HC, professor Marcus Castro Ferreira, a filosofia atual no tratamento dos queimados implica a assistência integrada. “O paciente recebe tratamento na fase aguda (passa por cirurgias para a resolução das lesões agudas), na reabilitação e no tratamento cirúrgico das seqüelas”.

Além da equipe de cirurgiões plásticos especializados, a unidade conta com médicos intensivistas, pediatras, anestesistas, enfermeiros especializados, psicólogas, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. “Associado ao tratamento assistencial do paciente, há o desenvolvimento da parte didática para a capacitação de profissionais de todo o Brasil e de pesquisas, nas diferentes áreas do tratamento das queimaduras”, enfatiza Marcus Ferreira.

Do Instituto Central do HC

(M.C.)