Principais trechos da entrevista concedida pelos doutores David Uip e Ricardo Brentani, médicos que

nd

seg, 15/01/2001 - 18h57 | Do Portal do Governo

David Uip – Tivemos hoje (segunda feira, dia 15), os resultados finais da ressonância magnética e da análise do líquido céfalo-raquidiano. Uma parte desse líquido ainda está sendo analisado sobre os aspectos imunológico e de cultivo. Mas, como esse líquido deu o diagnóstico que nós procurávamos e que explica a situação clínica atual do governador, nós optamos por estar divulgando a vocês os resultados dos exames. Acho que a nota (distribuída pela Assessoria de Imprensa do Incor) é explicativa e informa exatamente o que está acontecendo. Infelizmente, hoje aconteceu algo inusitado porque a sequência não foi obedecida. A idéia era de que vocês tivessem conhecimento da nota depois que nós falássemos com o governador. Algumas precipitações fizeram com que nós saíssemos correndo para o Palácio para conversar com o governador, obviamente é uma questão de respeito mínimo ao paciente. Conversamos com ele e com a família, e vocês, em concomitância ou um pouco antes, tiveram acesso às informações. Brentani quer falar alguma coisa?

Ricardo Brentani – A nota está absolutamente clara, existe uma contaminação de células cancerosas no sistema nervoso que explica o atual quadro apresentado pelo governador.

Pergunta – Dr. David, qual a reação do governador ao saber da notícia?

David Uip – Olha, essa é uma coisa que eu vou pedir licença a vocês para não falar. É um momento de uma relação médico paciente muito complicada, muito pessoal, que eu vou pedir que vocês me permitam guardar isso. Eu não acho que deva divulgar esse momento. Foi um momento que saiu não de acordo com o planejado (referindo-se ao vazamento da notícia). Existe toda uma expectativa, todo um combinado entre nós para que as coisas sejam feitas sempre respeitando muito a pessoa do doente. Sempre dando tempo do doente absorver a informação que, como vocês todos podem perceber, não é simples. É um momento que eu prefiro guardar para mim nessa relação de muitos anos de médico-paciente.

Pergunta – É o mesmo tumor de célula que havia sido encontrada na bexiga?

David Uip – O que os especialistas que fazem exames vêem é que são células atípicas com características de neoplasia. Neste momento, é o bom senso que manda explicar que, muito provavelmente, as células encontradas no líquido são as mesmas do tumor inicial. É uma questão de nexo.

Pergunta – É uma metástase?

David Uip – É. Quando é à distância, sempre é.

Pergunta – Daqui para frente o que se pode esperar?

David Uip – Na verdade ele tem células cancerosas na meninge. A meninge é tipo uma membrana. Assim como temos a pleura (membrana que envolve o pulmão) e o peritônio (membrana que envolve o intestino), a meninge é uma membrana que reveste o cérebro e a espinha. Então, dentro do líquido, foram encontradas células que é aquilo que nós falamos para vocês: Como nós vimos que a ressonância era normal, pelo menos o dado inicial na sexta-feira (dia 12), procurou-se saber o porquê da pressão intracraniana. Concluído o exame do líquido, que mede uma porção de coisas, foram encontradas as células neoplásicas.

Pergunta – Qual a sobrevida do governador e com qualidade de vida?

Ricardo Brentani – Eu não acho razoável discutir sobrevida. Acho que temos que discutir com o governador as opções terapêuticas. Todos já me conhecem e enquanto eu não tiver discutido com ele não vou discutir com mais ninguém. Vai dar certo, não vai dar certo? Eu não sei ainda. Não dá para falar em sobrevida. Eu acho prematuro. Na medida em que você tem um tumor que há dois anos parecia curado, que há poucos meses se manifestou novamente, e que agora se manifesta de novo, é óbvio que as perspectivas são piores do que já foram.

Pergunta – Há alguma recomendação dos médicos para que o governador se afaste ou reduza suas atividades? Ele pode permanecer no cargo?

David Uip – Olha, por coincidência eu acabei de almoçar com o governador. Ele está absolutamente normal. Vocês presenciaram na solenidade que teve de manhã que ele está falando normalmente, andando normalmente. Eu acho que não cabe nem aqui e nem a nós estarmos discutindo algumas coisas. Concordo com o Brentani e acho uma atrocidade estar discutindo prognósticos neste momento. É uma atrocidade. As opções terapêuticas estão sendo discutidas pela equipe. Quem lidera essa discussão é o professor Brentani e, agora, o professor Milberto (Dr. Milberto Scaff, neurologista).

Pergunta – O que existe como opção?

David Uip – Existem várias coisas, como quimioterapia local, radioterapia, uma porção de coisas. Mas, isso é discussão para o professor Brentani.

Ricardo Brentani – Eu acho que fui bastante claro. Primeiro vou discutir com o governador… (repórter interrompe)

Pergunta – Mas eu queria saber… (Brentani interrompe)

Brentani – Eu sei o que vocês querem saber mas eu não vou dizer. Primeiro vou conversar com o governador.

Pergunta – Pode-se dizer que o governador está com um tumor ou as células ainda não formaram um tumor?

David Uip – Tumor é tudo aquilo que cresce, por definição. Um abcesso é uma tumoração. Um furúnculo é uma tumoração. Isso não foi visto nas imagens. Foram encontradas células tumorais que, do ponto de vista prático, não muda em nada.

Pergunta – Dá para ter uma idéia do tamanho da área comprometida? Essa pressão que existe…

David Uip – A pressão é por aumento de substâncias, não é por tumor.

Pergunta – A imunoterapia está suspensa?

Ricardo Brentani – Com certeza.

Pergunta – Por quê?

Ricardo Brentani – Porque o medicamento que foi aplicado não atravessa a barreira hemato-encefálico, ou seja, não há possibilidade daquele medicamento entrar na medula espinhal ou no cérebro. Então, ele certamente não teria ação sobre a manifestação atual da doença e não tem sentido continuar usando. Gente, porque vocês não noticiam os seis anos de um governo sensacional que ele tem feito?

Pergunta – O corticóide que ele vem tomando controlou as dores de cabeça?

David Uip – Nós estamos atacando a consequência que é o edema. E isso melhorou.

Pergunta – Os exames que faltam podem revelar mais o quê?

David Uip – Nada mais importante do que o que está sendo revelado.

Pergunta – Qual a quantidade de células reveladas?

David Uip – Isso é um detalhe técnico. Gente, não nos angustie mais do que já estamos angustiados. Nós estamos numa situação de cumplicidade, ou seja, não precisa aumentar essa angústia que também é nossa.

Pergunta – Quais são as recomendações?

David Uip – São assim: Eu acho que neste momento estamos na fase de contar a ele e de falar para a família. Qualquer ser humano normal tem que ter um tempo para fazer seu raciocínio, seu planejamento. Ele precisa de um espaço. A hora que eu saí de lá eu falei que só volto ao Palácio na hora em que ele chamar. Ele tem que ter um espaço para ele, para a família, para pensar, elaborar… É um direito que o paciente tem. Então, a nossa posição é de respeitar esse direito.

Pergunta – Em relação ao tratamento, em quanto tempo essa decisão pode ser tomada?

Brentani – Acho que antes de 15 dias.

Pergunta – A medicação que ele está tomando pode ter deixado ele mais lento?

David Uip – Nada a ver com a última quarta-feira. O governador ainda está sob o impacto do que foi publicado sobre aquele episódio. Ele não me falou mas eu sei. Aconteceram muitas precipitações, a meu ver, absolutamente desnecessárias. Por quê? Desde o primeiro momento, por definição nossa e por orientação do governador, jamais uma palavra será escondida. Como hoje que, antes de falarmos para ele, vocês divulgaram o diagnóstico. Então, eu imagino como este homem está se sentindo. Ele é um ser humano igual ao pai de vocês. Acho que daqui para frente, cada um de nós tem que fazer uma reflexão do ponto de vista ético, moral, de preservação do ser humano. Tem-se que tomar muito cuidado. É uma situação extremamente delicada.

Pergunta – O senhor disse que estava angustiado. Isso quer dizer que é irreversível?

David Uip – Puxa, se eu for um ser humano que não me angustie ao dar uma notícia dessas, vou largar de ser um ser humano, nem médico, eu digo. Se uma notícias dessas a um paciente a quem tenho muito afeto além de ser médico não me comover, não me incomodar, vou vender fruta na feira.