Policiamento de Choque da PM tem novo comandante

Coronel PM Joviano Conceição Lima passou o comando da unidade ao coronel PM Eduardo José Félix de Oliveira

dom, 14/09/2008 - 15h45 | Do Portal do Governo

Com muita emoção e o sentimento de missão cumprida, o coronel PM Joviano Conceição Lima deixou na sexta-feira, 12, oficialmente, o posto de comandante do Comando de Policiamento de Choque (CPChq) da Polícia Militar. Depois de três anos e dois meses no cargo – de 9 de julho de 2005 a 21 de agosto de 2008 – Joviano passou o comando da unidade ao coronel PM Eduardo José Félix de Oliveira em cerimônia realizada na sede do Regimento de Cavalaria 9 de Julho, no bairro da Luz, região central da cidade. O evento contou com diversas homenagens a Joviano, que liderou a PM nas últimas três edições da O.S.T.E. (Operação Saturação por Tropas Especiais), ação que antecede a Virada Social, política pública de inclusão social do Governo do Estado.

As homenagens ao coronel, que se afasta temporariamente das atividades policiais, começaram com a inauguração de seu retrato em um painel ao lado de todos os outros que passaram pelo comando do CPChq. Depois, ainda ouviu palavras de carinho vindas do novo comandante, o coronel Félix, do subcomandante da Polícia Militar, coronel PM Daniel Barbosa Rodrigueiro, e do secretário de Segurança Pública, Ronaldo Marzagão.

“Joviano conduziu essa tropa com maestria durante três anos e dois meses e aí está a primeira meta do meu comando: no mínimo, valorizar e manter o que os meus antecessores construíram até agora”, afirmou Félix. Já o coronel Rodrigueiro elogiou suas características pessoais e o classificou como modelo de policial militar. “O coronel Joviano é linha de frente na pura expressão da palavra e guardião das tradições da milícia de Tobias. Oficial esmerado, comprometido e possuidor de grande idoneidade moral, culto, equilibrado, disciplinado e disciplinador, de postura calma e amiga, trouxe tranqüilidade e apresentou desempenho decisivo para o Comando Geral da Polícia Militar do Estado de São Paulo”, disse. Rodrigueiro citou também momentos difíceis passados e superados por ele, como os atentados de maio de 2006 e o planejamento da reintegração de posse do edifício da reitoria da USP em 2007.

O secretário Ronaldo Marzagão, que compareceu à cerimônia de passagem de comando do CPChq acompanhado pelo secretário-adjunto, Guilherme de Bueno Camargo, e pelo comandante geral da Polícia Militar, coronel PM Roberto Antonio Diniz, agradeceu os serviços prestados por Joviano em nome de toda a sociedade. “Que a sua história dentro deste batalhão seja para sempre lembrada como um período de competência e amizade”, desejou. Marzagão ainda descreveu o coronel como um verdadeiro líder. “Um homem que soube comandar, ser respeitado pelos seus superiores e pela tropa que liderou”.

O trabalho do Comando de Policiamento de Choque nas O.S.T.E. também foi lembrado pelo secretário, com uma situação em especial. Há pouco mais de dois meses, durante O.S.T.E. na zona leste da Capital, uma equipe da unidade foi acionada para atender a uma ocorrência de desmanche de veículos. Chegando lá, encontraram uma gestante em trabalho de parto. “E o que fizeram esses homens treinados para combater a criminalidade? Despiram-se da rudeza das suas armas e enfrentaram talvez um desafio ainda maior que o de prender bandidos: foram decisivos para que uma vida chegasse sã e salva a este mundo, realizando o parto e garantindo o atendimento médico, que chegou cerca de 30 minutos depois”, relatou.

“Esses são os policiais do Comando de Policiamento de Choque. Não apenas duros, irascíveis, fortes e implacáveis com o crime. Mas, sobretudo, humanos, preparados, inteligentes, pais, irmãos, filhos, que jamais deixarão de expor a sua melhor face quando uma pessoa de bem deles necessitar”, concluiu Marzagão.

Despedida

Como prova de sua honra, Joviano iniciou seu discurso de despedida desejando as boas-vindas ao seu sucessor. “Ao excelentíssimo coronel PM Eduardo José Félix de Oliveira, digníssimo comandante do CPChq, direto amigo, profissional exemplar e maravilhoso pai de família, que ora assume a árdua tarefa para cumprir mais essa missão que lhe é confiada, rendo minhas homenagens sinceras, de muito respeito e apreço, augurando-lhe sucesso e vida longa”. Também agradeceu o secretário Marzagão pela confiança que lhe foi concedida e contou que ele “foi incentivador das O.S.T.E. nas áreas mais críticas, em termos sociais e criminais, que levaram alento e tranqüilidade ao povo paulistano”.

Joviano se emocionou em especial ao citar os nomes de companheiros que o ajudaram e acompanharam durante toda a carreira militar até este momento. “O CPChq é o meu estado maior”, afirmou, antes de agradecer pessoalmente aos amigos e colegas de profissão. Embargou a voz novamente ao falar de sua família, dos filhos e da esposa, a tenente Camila de Freitas Carvalho, que participou das últimas O.S.T.E. ao lado de Joviano, integrando a equipe dos centros odontológicos instalados nas comunidades.

Novo comandante

O coronel Félix se disse honrado e realizado em assumir o comando do CPChq. “Por isso, meu secretário e meu comandante, agradeço a confiança em mim depositada e sou conhecedor da grande responsabilidade que pesa em meus ombros. Mas, pela minha satisfação pessoal e orgulho próprio de mais uma etapa atingida, saberei conduzir esse comando e dignificar os homens que por aqui passaram”, declarou. O novo comandante também destacou como foco de trabalho a busca por novas tecnologias e pela qualificação dos policiais. “Acredito ser esta a maneira de atingirmos os resultados de excelência nas ocorrências que enfrentamos no nosso dia-a-dia. Devemos sempre ter a preocupação de proteger o nosso homem e a vida da comunidade e de seu patrimônio”.

Com 32 anos de Polícia Militar, o coronel Félix iniciou na Academia do Barro Branco em fevereiro de 1976 e já passou por diversas unidades. Atualmente, trabalhava no Comando de Policiamento de Área Metropolitano 10, na zona sul da Capital. Promovido ao cargo de coronel em maio de 2006, Félix assume o CPChq com o compromisso de liderar todas as unidades subordinadas e continuar o trabalho com a O.S.T.E., que tem uma edição em andamento, em São Mateus.

Daniel Cunha

Da Secretaria da Segurança Pública

(L.F.)