Governo de SP começa a distribuir segundo lote de vacinas do Butantan para o Brasil

900 mil doses envasadas na capital foram liberadas na tarde desta sexta-feira (22)

sex, 22/01/2021 - 18h07 | Do Portal do Governo

Distribuição do segundo lote da Vacina do Butantan

O Governador João Doria acompanhou na tarde desta sexta-feira (22) o início da distribuição do segundo lote de vacinas do Instituto Butantan contra o coronavírus. Cerca de 900 mil doses foram imediatamente liberadas para o Ministério da Saúde após nova autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para uso emergencial do imunizante.

“Todos nós temos parentes e pessoas ou que sofreram a COVID ou que perdemos com a COVID. E outras pessoas que estão se sentindo salvas ou na esperança de, muito em breve, receberem a vacina. Estamos todos felizes por ajudarmos a linha de frente, médicos e profissionais de saúde que estão ajudando a salvar vidas no Brasil”, afirmou Doria.

Veja também
Site Vacina Já faz pré-cadastro da imunização contra COVID-19
Guia de prevenção sobre o novo coronavírus
As medidas adotadas pelo Governo de SP para o combate ao coronavírus

Desse total, 200 mil doses foram levadas ao Centro de Distribuição e Logística da Secretaria da Saúde de São Paulo. Outras 700 mil vão para a central de distribuição do Ministério da Saúde, em Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo.

As demais doses envasadas, rotuladas e embaladas no Butantan a partir de matéria-prima enviada da China serão liberadas tão logo passem pela inspeção de controle de qualidade do instituto.

No último domingo (17), o Butantan distribuiu 6 milhões de doses da vacina desenvolvida em parceria com a biofarmacêutica Sinovac Life Science. Com a segunda remessa, agora são 6,9 milhões de um total de 8,7 milhões de doses estabelecidas em cronograma firmado com o Ministério da Saúde para entrega até 31 de janeiro. Até abril, o Butantan entregará 46 milhões de vacinas contra o coronavírus para todo o país.

Com o registro emergencial desta sexta, o Butantan não precisa de nova autorização da Anvisa para uso das 35,2 milhões de unidades que serão envasadas em São Paulo a partir de insumos vindos da China. O instituto aguarda aval do governo chinês para receber 5,4 mil litros em insumos a granel nas próximas semanas.