Governador Mário Covas fala sobre os 446 anos de São Paulo

nd

ter, 25/01/2000 - 15h53 | Do Portal do Governo

‘São Paulo é uma cidade excepcional, uma cidade de uma generosidade popular extraordinária. É uma cidade que as pessoas acusam de fria, sem solidariedade, coisa de quem nunca andou por essa periferia ou quem nunca conheceu as beiradas da cidade.
Quando eu era prefeito, de cada quatro pessoas que moravam em São Paulo apenas 1,25 tinha nascido em São Paulo. O restante era todo de fora. São Paulo é uma cidade que tem 500 mil japoneses, 80 mil espanhóis, 120 mil portugueses. É uma cidade que tem 25 mil lituanos. Não sei se na própria Lituânia tem 25 mil lituanos, mas em São Paulo tem. É uma cidade que recebe o mundo inteiro, ela é fruto desse caldeamento e ainda assim nenhuma dessas comunidades está condenada a viver separada. Ela acaba sendo vítima da cultura mais geral da cidade que é essa miscelânea, essa cultura generosa.
Eu acho que São Paulo é uma grande cidade, com grandes problemas. Uma cidade que tem 10 milhões de habitantes que cresce numa velocidade muito maior do que se pode resolver os problemas dela. Mas é uma cidade sem dúvida nenhuma a se inserir entre as melhores do mundo, hoje com problemas muito sérios. Como a população não vê grande caso e grande parte das autoridades em relação à cidade acabam fazendo coisas com a violência que se comete contra a cidade. Grafitar os prédios, por exemplo, é uma violência contra o coletivo. É uma violência não subjetivada, não se sabe contra quem é, mas na realidade mostra que a pessoa deixa de ter apreço pela beleza da cidade. Não é só a falta de obras necessárias, não. Nunca vai ser possível, pelo menos vai demorar muito tempo, para que se possa fazer a quantidade de obras que a cidade necessita. Num período de governo, em dois períodos de governo ou em dez períodos. Mas é uma questão de tratamento, de dar resposta à população proporcional àquilo que a população está precisando.
Acho que São Paulo é uma cidade muito grande e uma cidade muito farta, onde se tem o que fazer durante as 24 horas do dia . Eu passei um período de 33 meses na prefeitura. E foi o período mais fascinante que passei. Isso é possível se a gente não ficar sentado no Gabinete, se for conhecer cada buraco que a cidade possui. Mas, precisa ter paciência, mais do que altura’.