Estação Vila Madalena tem sarau de poesias nesta terça

Poesia no Metrô utiliza espaços públicos para difundir a arte e provocar interesse pela leitura

ter, 20/10/2009 - 9h00 | Do Portal do Governo

A partir desta terça-feira, 20, a estação Vila Madalena, da Linha 2-Verde do Metrô, passará a exibir alguns dos poemas mais representativos da Língua Portuguesa. Ao longo da semana, outras sete estações e os trens da linha também receberão os textos. 

O lançamento aconteceu às 11h30, quando foi realizado um sarau com os poetas Marcelo Tápia (do grupo de Haroldo de Campos), Micheliny Verunshk, Cláudio Willer e Carlos Figueiredo que recitarão  poemas consagrados de Haroldo de Campos, Alberto Caeiro (heterônimo de Fernando Pessoa) e Carlos Drummond de Andrade, entre outros. 

O projeto 

As primeiras estações a receberem a exposição, todas da Linha 2-Verde, ficam no eixo da Avenida Paulista. São elas: Vila Madalena, Sumaré, Clinicas, Paraíso, Ana Rosa, Chácara Klabin, Santos/Imigrantes e Alto do Ipiranga. 

Entre os 21 autores selecionados estão Camões, Alphonsus de Guimarães, Gonçalves Dias, Augusto dos Anjos, Castro Alves, Olavo Bilac, Fernando Pessoa, Florbela Espanca e Carlos Drummond de Andrade. As obras escolhidas são de domínio público. 

O projeto Poesia no Metrô busca utilizar espaços públicos para difundir a arte e provocar nos usuários o interesse pela leitura. Nessa primeira etapa, foram selecionados 42 poemas que ficarão expostos durante três meses, por meio de adesivos, em tamanhos grandes, para serem lidos mesmo à distância. No total, estarão em 34 pontos das estações da Linha 2-Verde, além do interior dos seis novos trens. 

O público estimado para a exposição é de 420 mil pessoas, frequentadoras das estações da Linha 2-Verde. No ano que vem, serão 3,5 milhões de espectadores diários, pois a mostra será estendida para todas as estações do metrô paulistano. 

A expectativa é que a segunda etapa comece em janeiro de 2010, ocupando espaços fixos usados para exposições de poemas. A idéia é ter edições temáticas, como Poetas Contemporâneos Paulistas e Poesia Popular Brasileira, entre outros. 

Do Metrô