Entidade acolhe famílias refugiadas no centro da capital paulista

14 de julho de 2018

Angola, Congo, Venezuela, Serra Leoa, Síria. São Paulo, reconhecida por abrigar diversas culturas e costumes em seu vasto território, também precisa cuidar e preservar esse mosaico étnico e democrático. Dessa ideia, nasceu a Casa de Passagem Terra Nova, que fica na região central da capital paulista.

A entidade, vinculada à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social, já atendeu mais de 450 pessoas de várias nacionalidades. A instalação conta com quartos com banheiros internos, área de convivência, brinquedoteca, refeitório, lavanderia, copa e salas de atendimento individualizado.

Vínculos

Com o total de 50 vagas, a Casa funciona 24 horas por dia e oferece apoio social, psicológico e jurídico, auxílio para inclusão produtiva e encaminhamentos aos serviços públicos. O objetivo, dessa forma, é empoderar e fortalecer vínculos comunitários dos usuários, bem como garantir seus direitos. O atendimento prioritário é voltado para famílias com filhos de até 18 anos e mulheres grávidas.

Mais do que cidadãos de outras regiões brasileiras, a cidade recebe uma quantidade muito grande de imigrantes em busca de novas oportunidades. Diante disso, o Governo do Estado desenvolveu um equipamento pioneiro de acolhimento social para receber, de forma especial, estrangeiros de refúgio e vítimas de tráfico de pessoas.

Os encaminhamentos para atendimento são realizados pela Cáritas, Missão Paz, Posto Humanizado de Guarulhos e pela Secretaria de Estado da Justiça e da Defesa da Cidadania. O local é gerenciado pela Coordenação Regional das Obras de Promoção Humana (CROPH). Os refugiados ficam, em média, seis meses no local.