Dersa assina contratos para trecho Sul do Rodoanel

Obras serão iniciadas em junho e concluídas em 4 anos

sex, 28/04/2006 - 15h30 | Do Portal do Governo

A Dersa Desenvolvimento Rodoviário S/A assinou ontem, 27/4, os contratos com os cinco consórcios de empresas para a construção do Trecho Sul do Rodoanel Mario Covas. Os extratos dos contratos estão publicados no Diário Oficial Empresarial desta sexta-feira (28/4).

A um custo de R$ 2,58 bilhões, a obra foi dividida em cinco lotes, cada um a cargo de um consórcio, escolhido por meio de licitação pública. As empresas contratadas são: Lote 1 (trecho Mauá/Anchieta) – Consórcio Andrade Gutierrez/Galvão, com o valor de R$ 492.885.725,16; Lote 2 (trecho Anchieta/Imigrantes) – Consórcio Norberto Odebrecht/Constran, com o valor de R$ 515.369.337,65; Lote 3 (trecho Imigrantes/Billings) – Consórcio Queiroz Galvão/CR Almeida, com o valor de R$ 562.162.110,55; Lote 4 (trecho Billings/Guarapiranga) – Consórcio Camargo Corrêa/Serveng, com o valor de R$ 505.109.238,06; e Lote 5 (trecho Guarapiranga/Régis Bittencourt) – Consórcio OAS/Mendes Junior, com o valor de R$ 511.734.055,00.

Com 57 quilômetros de extensão, o Trecho Sul vai interligar o Trecho Oeste – já construído e entregue ao tráfego em 2002 – às rodovias dos Imigrantes, Via Anchieta e o município de Mauá. Ao projeto foi adicionada uma ligação de padrão rodoviário com 4,4 quilômetros de extensão até a avenida Papa João XXIII, em Mauá, que será duplicada para receber o novo tráfego proveniente do Rodoanel. Com a futura extensão da avenida Jacu-Pêssego, essa ligação vai facilitar a chegada à Zona Leste de São Paulo, às rodovias Ayrton Senna e Dutra e ao Aeroporto de Cumbica.

Benefícios

O Trecho Sul facilita o transporte e o escoamento de cargas entre o Brasil Central e o Porto de Santos. Atravessa os municípios de Embu, Itapecerica da Serra, São Paulo, São Bernardo do Campo, Santo André, Ribeirão Pires e Mauá.

O traçado foi escolhido buscando minimizar os possíveis impactos e contribuir para a recuperação das áreas de mananciais. O projeto foi desenvolvido utilizando técnicas avançadas de engenharia que garantem a segurança dos usuários, a redução de acidentes e um balanço ambiental positivo.

Com a conclusão do Trecho Sul estimasse a redução de 37% do volume de veículos de carga na avenida dos Bandeirantes e de 43% na Marginal Pinheiros – reduzindo os congestionamentos nestes corredores.

Início das obras

Para o início efetivo das obras há a necessidade de obter as Licenças de Instalação por trechos junto à Secretaria do Meio Ambiente.

Na próxima semana, a Dersa protocola o Plano Básico Ambiental – PBA com o conjunto de 110 medidas de proteção ao meio ambiente organizadas em 26 programas ambientais. A ênfase dos programas ambientais é a prevenção dos impactos potenciais identificados mediante a adoção de medidas de gestão e construtivas durante as obras.

Também solicita as Licenças de Instalação para os trevos da Régis Bittencourt, da Rodovia dos Imigrantes e para a Via Anchieta; as passagens das estradas de Itapecerica e de Parelheiros; as pontes das represas Guarapiranga e Billings; e para a conexão com a avenida Papa João XXIII.

Esse processo de licenciamento deve demorar cerca de 60 dias e as obras poderão ser iniciadas em junho. “A intenção do Governo do Estado é a de abrir frentes de trabalho em todos os lotes”, explica o secretário dos Transportes e presidente da Dersa, Dario Rais Lopes. O prazo estimado para a entrega do Trecho Sul do Rodoanel é de 48 meses.

Cadastro Social

No dia 2 de maio será iniciado o processo de cadastro social, com o levantamento das famílias e dos imóveis que serão atingidos pelo Trecho Sul. “Esse trabalho deve levar 40 dias para ser finalizado e apontará o número exato de famílias que serão reassentadas e de imóveis desapropriados”, adianta Rais Lopes. A estimativa prévia da Dersa é de que cerca de 1.700 famílias sejam afetadas pela construção do Trecho Sul.