Brincadeiras reduzem ansiedade no tratamento das crianças atendidas no HC

No Instituto de Ortopedia, fantoches, histórias, brincadeiras e desenhos coloridos também auxiliam no tratamento

sex, 22/10/2010 - 18h00 | Do Portal do Governo

Segunda-feira é dia de consulta, fisioterapia e brincadeira no Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da FMUSP, ligado à Secretaria da Saúde. É com alegria nos olhos que a pequena Vitória, de cinco anos, chega para mais um dia de tratamento para correção de problemas ósseos, apesar de muitas vezes o hospital na visão de uma criança estar mais para “bicho papão”.

O ambiente hospitalar, relacionado geralmente à dor, ganha cores e sorrisos com o Projeto Brincando na Espera. Num espaço de recepção ambulatorial, a recreacionista Alexandra Santos de Souza brinca com os pacientes, que aguardam ser chamados para a avaliação médica. “Antes de existirem estas atividades, as crianças ficavam tensas e ansiosas, daí só choravam”, relata Alexandra.

Brincando, pintando e contando histórias, os pequenos pacientes ortopédicos dão início ao dia de tratamento, que inclui visita ao médico e a sessão de fisioterapia, que às vezes é desconfortável.

De acordo com a fisioterapeuta Klévia Bezerra Lima, alguns exercícios são doloridos e nem sempre as crianças querem fazer. Pensando nisso, ela utiliza outro recurso lúdico para alcançar os objetivos e animar a criançada. Munida dos fantoches Dra. Saratudo e Dr. Tirador, ela conversa com os pacientes e, sem que eles percebam, começam a se exercitar. “Uso o recurso da brincadeira para direcionar as atividades”, diz.

Segundo Klévia, estes “doutores”, mais do que especiais, são responsáveis por 100% da aceitação ao tratamento.

Do Hospital das Clínicas