Biofábrica reduz o uso de agrotóxico e evita queimadas da cana

Fapesp investiu R$ 500 mil no projeto de construção sustentável, que contribui para o controle biológico

ter, 25/11/2008 - 11h32 | Do Portal do Governo

Método desenvolvido pelo pesquisador José Eduardo M. de Almeida, do Instituto de Biologia (IB) de Campinas, permite intensificar o controle dos danos causados pela cigarrinha-da-raiz-da-cana-de-açúcar – inseto que ataca e compromete a produtividade agrícola das lavouras de cana. Eduardo promove o controle biológico por meio de fungos, que combatem essas pragas, e propõe a instalação de fábricas para produzi-los.

Desde 1990, o Instituto Biológico, da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento, estuda o uso de microorganismos capazes de eliminar a cigarrinha, conservando as características naturais da planta. Uma dessas ações levou ao uso do fungo M.anisopliae, que ataca e destrói grande número de insetos.

O fungo M.anisopliae é utilizado há mais de 90 anos com sucesso. A inovação do IB foi isolar, retirar e aproveitar a potencialidade do bioinseticida que cresce a partir do arroz pré-cozido. Os pesquisadores do instituto analisaram mais de 90 tipos isolados, solo e insetos. Em seguida, selecionaram o fungo que tem origem na Amazônia e apresentou excelente resultado no combate à cigarrinha-da-raiz.

Controle biológico – Mantidos em sacos plásticos na biofábrica a uma temperatura de 25 graus, por 15 dias, os fungos devem ser aplicados nos canaviais com o uso de aviões ou tratores. O controle biológico se torna grande aliado do produtor de cana-de-açúcar, garantindo mais quantidade e qualidade do produto.

A cigarrinha-da-raiz é um dos principais problemas do cultivo de cana-de-açúcar em São Paulo e no Nordeste brasileiro. Ela suga a seiva da planta e injeta na mesma substâncias tóxicas (causadoras da queima das folhas do vegetal) encontradas na sua saliva. Por outro lado, o inseto desenvolve forte proteção contra seus inimigos naturais. O ciclo vital da cigarrinha começa com o período chuvoso, no verão.

O uso do fungo no combate à praga pode gerar economia de R$ 140 por hectare cultivado. O pesquisador José Eduardo M. de Almeida, que trabalha no projeto das biofábricas, ressalta que os ataques das cigarrinhas estão cada vez mais freqüentes e causam sérios prejuízos, comprometendo até 60% da plantação.

Know-how – Os especialistas garantem que com a utilização de técnicas de monitoramento e manejo integrados será possível conviver com a cigarrinha-da-raiz nas plantações de cana-de-açúcar em todo o País. Contudo, o controle microbiano preserva outros inimigos naturais e contribui para manter o agrossistema em boas condições. O bioinseticida utilizado não é tóxico para os seres humanos e tampouco degrada o meio ambiente. Age diretamente no inseto deixando manchas escuras pelo corpo do parasita. Provoca paralisia geral, perda e coordenação de movimentos até a morte.

O Instituto Biológico tem know-how da pesquisa de implantação da biofábrica e produção do fungo derivado do arroz pré-cozido. O IB desenvolveu um programa de capacitação e assessoria técnica para a instalação de biofábricas de fungos. O produtor de cana-de-açúcar de qualquer lugar do País que optar pela aquisição das biofábricas receberá auxílio técnico, informações dos processos e os passos de implantação. Mais informações no site http://www.biologico.sp.gov.br/, telefones (19) 3252-2942.

Elas saíram na frente

As cidades de Pontal, Sertãozinho, Catanduva, Marapoama, Barra Bonita, Valparaíso, Guariba, São Joaquim da Barra, Salto e Olímpia (todas no interior do Estado de São Paulo) já implantaram as modernas biofábricas. Cada uma, de pequeno e médio porte, exige R$ 150 mil para a construção, R$ 100 mil para a aquisição dos equipamentos utilizados na produção do fungo e R$ 120 mil para obter o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Anderson Moriel Mattos – da Agência Imprensa Oficial