Ação Cultural do Metrô apresenta mostras artísticas em várias estações

Depois de passar pela catraca, usuário pode conferir trabalhos de artes plásticas, fotografia, grafite e literatura

sex, 23/03/2007 - 12h53 | Do Portal do Governo

Até o dia 31, o Programa Ação Cultural do Metrô promove 17 exposições, distribuídas em várias estações das quatro linhas metroviárias. Os destaques são CET 30 anos, Brasil rupestre, Solte o bicho que tem dentro de você, viva intensa e loucamente e Colégio São Luís 140 anos. Todas as mostras têm entrada gratuita, porém estão disponíveis somente na área paga das estações. A exceção são as vitrines de ikebana, na Estação Liberdade, e a mostra Paisagens de São Paulo, na área de acesso às catracas da Estação Trianon-Masp.

• Na Estação Sé, o usuário pode apreciar CET 30 Anos, mostra fotográfica que ilustra a trajetória da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Criada na capital em 1976, a empresa é pioneira no uso de tecnologia na gestão do trânsito no Brasil. No mesmo local, a mostra fotográfica Colégio São Luís 140 anos traz 40 imagens do acervo da instituição de ensino. A exposição, projetada pelo arquiteto Júlio Abe, aborda o desenvolvimento de São Paulo desde o século 19 e traz cenas da cidade de Itu, primeiro endereço do colégio.

• Brasil rupestre, na Estação Ana Rosa, reúne pinturas e gravuras do livro homônimo de André Prous e Loredana Ribeiro (textos) e Marcos Jorge (fotos). Algumas das imagens reproduzidas estão localizadas na Serra da Capivara (Piauí), em Urubici (Santa Catarina) e na Amazônia. A maioria registra cenas do cotidiano pré-histórico brasileiro.

• As artes plásticas têm espaço com Solte o bicho que tem dentro de você, viva intensa e loucamente, na Estação Trianon-Masp. São trabalhos produzidos por pacientes do Centro de Atenção Psicossocial Professor Luís da Rocha Cerqueira, instituição pública ligada à Secretaria Estadual da Saúde, que atende pessoas com problemas de saúde mental.

• Mergulho em quatro continentes, na Estação Vila Madalena, apresenta fotos da excursão realizada por três franceses a bordo de uma casa sobre rodas. Eles estiveram em quatro países, durante um ano e meio, e registraram como a água interfere na organização das populações.

• Além da cortina preta, na Estação República, destaca a cidade de São Paulo a partir de imagens produzidas por Vera Sanovicz. São retratados automóveis, outdoors, postes, placas de trânsito, edifícios, letreiros e grafites. No mesmo local, o passageiro também pode conferir Um olhar sobre a geometria da cidade, projeto executado por 160 alunos do ensino médio do Colégio São Luís, que utiliza o ambiente urbano para mostrar como a matemática está presente no cotidiano das pessoas.

• Olhar em preto e branco, na Estação Chácara Klabin, reúne imagens de crianças fotografando o centro histórico da cidade de São Paulo por meio da técnica pin hole, que utiliza caixas ou latas para a produção das imagens.

• Poptogramas traz, na Estação Capão Redondo, imagens e representações de objetos que são encontrados em quase todos os lugares para orientar o público. São trabalhos do designer gráfico Daniel Motta, responsável pela criação de desenhos e símbolos para bandas como Audioslave, Fats Domino, Jackson Five e Nirvana.

• Na Estação Clínicas, painéis informam sobre técnicas de prevenção do câncer, doença que é a segunda maior causa de mortes no Brasil.

• Na Estação Tiradentes, o passageiro vai poder conferir presépios de diversas nacionalidades.

• A Estação Vila das Belezas traz Criando novos caminhos – painéis que mostram o grafite como caminho artístico e de capacitação profissional para jovens e adolescentes da periferia.

Embarque na leitura

Também até o fim do mês, o Programa Embarque na Leitura do Metrô homenageia escritores brasileiros. O primeiro é Machado de Assis, em destaque na Estação Santa Cecília. No local, o público tem acesso às obras do principal autor brasileiro e também sobre o movimento literário Realismo.

Mário Quintana tem sua biografia e trechos de suas principais obras e fotos disponíveis na Estação Jardim São Paulo. O escritor araraquarense Ignácio de Loyola Brandão, autor de 27 livros, é apresentado aos leitores na Estação Luz. Ele abordou em suas obras temas como o período militar, o amor, a solidão e o exílio.

Rogério Silveira – Da Agência Imprensa Oficial

 

(AM)