‘Jovem Cidadão’ insere estudantes paulistas no mercado de trabalho

Aline Silva | 20 de setembro de 2018 |

O Programa Jovem Cidadão é a primeira oportunidade de emprego para muitos jovens paulistas, que estão matriculados na rede pública estadual. Por meio de estágio remunerado, jovens entre 16 e 21 anos podem adquirir experiência profissional e desenvolver habilidades específicas. Essa é uma maneira de fazer com que os alunos agreguem novos valores a sua formação com a inserção no mercado de trabalho.

Para isso, estes estudantes devem estar no Ensino Médio da rede de ensino pública estadual, regularmente matriculados e com frequência ativa.

De acordo com a Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Estado, responsável pela execução do programa, o estágio deverá ser desenvolvido segundo o estabelecido na Lei de Diretrizes e Bases e do Estatuto da Criança e do Adolescente, com o propósito de possibilitar ao jovem atividades de aprendizagem social, profissional e cultural, proporcionadas pela participação em situações reais de vida e trabalho. A carga horária é sempre de 4 a 6 horas diárias.

As inscrições são destinadas a alunos da região Metropolitana de São Paulo e das cidades de Campinas, Piracicaba, São José dos Campos, Santos, Anhembi e Ariranha.

Como participar

Para participar da iniciativa, o interessado deve realizar o cadastro nas secretarias das escolas, postos de atendimento Poupatempo e Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) ou pela internet, que também pode ser utilizado pelas empresas para a oferta de vagas.

Depois que concretizam as inscrições, os jovens são convocados para uma entrevista de emprego segundo as exigências da empresa. Caso seja aprovado, o estudante terá contrato de seis meses, podendo ser renovado por mais seis. A jornada de trabalho varia entre quatro e seis horas diárias, de segunda a sexta-feira.

É importante frisar, ainda, que o Estado fornece acompanhamento de estágio e psicossocial, curso on-line com certificado, bolsa-auxílio de R$ 65 mensais, mais seguro de vida e acidentes pessoais. Pela empresa, o mínimo é de R$ 3,13 por hora e auxílio-transporte.