Estado começa a testar chips em 20 mil cães

Metro

qua, 20/10/2010 - 8h38 | Do Portal do Governo

Secretaria da Saúde vai implantar aparelho em animais da região de Marília

Governo pretende distribuir coleiras contra o mosquito transmissor da doença no país

A Secretaria Estadual da Saúde começará a implantar microchips para identificar cachorros infectados com leishmaniose visceral, doença provocada por um parasita transmitido pelo mosquito-palha. O projeto piloto pretende colocar o aparelho em 20 mil cachorros de 10 cidades da região de Marília, no interior do Estado.

A secretaria vai monitorar os cachorros por dois anos e coletar informações sobre os exames que eles farão no período. Entre 2008 e 2009, a região de Marília registrou 96 casos de seres humanos infectados com leishmaniose. Dos infectados, oito morreram.

O aumento de casos da doença no país também preocupa o Ministério da Saúde. Entre 2000 e 2009, foram registrados 34.583 animais contaminados no país, sendo que 1.771 morreram. Para combater o avanço da doença, o ministério está estudando novas  estratégias. Um dos projetos pretende distribuir coleiras com repelente contra o mosquito transmissor.

Inicialmente, seria feito um estudo localizado para verificar se a medida é realmente eficaz. Caso o resultado seja positivo, o programa será ampliado. Outra ideia é borrifar inseticida nas áreas infestadas. Uma das dificuldades no combate à leishmaniose é que os cachorros também são reservatórios do parasita. Caso os animais estejam infectados, eles podem passar o parasita para o mosquito. De acordo com o ministério, a única alternativa para os cachorros infectados é a eutanásia.