Escola da Zona Leste atrai pais e alunos

Jornal da Tarde - Sábado, dia 20 de maio de 2006

sáb, 20/05/2006 - 12h23 | Do Portal do Governo

MARIA REHDER

maria.rehder@grupoestado.com.br

Médicos que matriculam seus filhos na mesma escola dos filhos de sua empregada doméstica; em um universo de 1.100 alunos, apenas 1 ficou retido ao final do 1º ciclo do Ensino Fundamental em 2005 e índice nulo de evasão escolar. Estas são algumas das características que anualmente levam os pais das mais distantes regiões da Capital à disputarem uma vaga para seus filhos na Escola Estadual Blanca Zwicker Simões, Zona Leste.

A diretora, Edy Baldassi, conta que alguns alunos vêm até de Guarulhos para estudar no Blanca. “O ano inteiro recebo ligações de pais pedindo para que seja formalizada uma lista de espera. Eu explico a eles que é muito difícil ter alunos que deixam a escola, mas não adianta, eles insistem na lista”, afirma a diretora.

A reportagem do JT, ao visitar a escola na última quinta-feira, encontrou um espaço físico colorido, limpo, salas com crianças envolvidas em suas atividades e muitos pais de alunos em trânsito pela escola. “A minha filha mais velha cursou até a 4ª série no Blanca e passou em 2º lugar no concurso de bolsas de um dos melhores colégios particulares, onde cursou o Ensino Fundamental”, comenta Eleni Pina, mãe também de Mariana, 8 anos, que hoje cursa a 3ª série no Blanca.

Portas abertas

Segundo Eleni, o que faz a diferença é a participação da família no processo pedagógico. “O Blanca sempre teve excelentes professores, mas era fechado para a família, o que mudou nos últimos anos”, diz.

A diretora da escola conta que, ao assumir o cargo em 2002, encontrou a escola em ótimas condições, mas sentiu falta da comunidade. “Os pais deixavam os filhos e iam embora, pois confiavam em nós.”

A primeira atitude tomada por Edy para atrair a comunidade foi a realização de festas. “Nem festa junina tínhamos na escola. Não foi fácil, pois time que está ganhando é difícil mudar. Não encontrei resistência, mas toda mudança gera um certo desconforto”, avalia.

A coordenadora pedagógica , Nara Lopes, destaca alguns projetos. “Criamos as Rodas de Conversa, espaço usado para orientar os pais ao desenvolvimento de seus filhos, enquanto estes participam de alguma atividade da Escola da Família.”

A abertura facilitou a busca de parceiros. “Só na páscoa entregamos ovos de chocolate à todos, sempre trazemos especialistas para falar com os professores e pais e as festas são disputadíssimas”, diz a vice-diretora Solange Soares Ribeiro.