Empresários “viram” médicos em inauguração da Casa do Estudante

Folha de S.Paulo - Sábado, 8 de dezembro de 2007

sáb, 08/12/2007 - 13h30 | Do Portal do Governo

Folha de S.Paulo

Alguns dos maiores empresários de São Paulo sentiram-se ontem médicos por um dia, vestindo o jaleco branco com o emblema da Faculdade de Medicina da USP. A homenagem ocorreu na cerimônia de reinauguração da Casa do Estudante, reconstruída e mobiliada com doações de R$ 2 milhões dos mesmos empresários.

“Agora é só começar a atender”, brincou o empresário Mário Arthur Adler, filho do criador da emblemática Estrela, com Antonio Bornia (Bradesco), ambos usando o jaleco branco, que receberam de presente das mãos do médico Miguel Srougi.

Professor titular de urologia da USP, Srougi foi responsável pela arrecadação dos recursos e também um dos doadores. Foi dele a idéia de reformar a casa. Ao visitar o imóvel a convite dos estudantes, ficou sensibilizado com a precariedade.

“Parecia um cortiço. Havia infiltrações no telhado, juntava água no box”, lembra estudante Filipe Bini. “O banheiro era coletivo e, de manhã, havia filas para tomar banho”, acrescenta Milena Cristina Vita, que vive há três anos na casa.

Ontem, além dos empresários homenageados, estiveram presentes no evento o prefeito Gilberto Kassab (DEM), o ex-governador Cláudio Lembo, médicos e estudantes da USP. “Desde que me tornei prefeito, esse evento é o mais gratificante que participei. É um exemplo de cidadania.”

O empresário Adler emendou: “É fundamental que os futuros médicos consigam ter dignidade e tranqüilidade durante os estudos. É uma iniciativa que deveria ser repetida por outros empresários”.

É o que espera o estudante Frederico Fernandes Filho, 26, um dos diretores da casa. Segundo ele, além dos alunos de medicina que precisam de moradia, há outros que não têm esse problema, mas apresentam outras dificuldades, como a aquisição de livros para o curso.

Construída em 1950, a casa não passava por reformas havia cinco anos. Com a reconstrução, o imóvel ganhou cinco novos apartamentos e atende agora a 52 estudantes de outras regiões que não tem condições financeiras de bancar moradia na capital. Outros 12 alunos aguardam uma vaga no local.

“Conseguimos fazer com que 52 estudantes vivam com dignidade. Não é o suficiente para atender a todos, mas é o começo. Espero que esse movimento se replique”, disse Srougi.

O imóvel, localizado na rua Teodoro Sampaio, zona oeste de São Paulo, tem 26 apartamentos com banheiros privativos. Cada quarto foi equipado com computador e internet.