Alckmin anuncia projeto para esvaziar 41 carceragens de SP

Diário do Grande ABC - Santo André - Sexta-feira, 20 de fevereiro de 2004

sex, 20/02/2004 - 9h32 | Do Portal do Governo

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta quinta-feira o programa para desativar as 41 carceragens de delegacias da Grande São Paulo. O projeto prevê a transferência de 7,3 mil presos para cadeias da região metropolitana ou interior do Estado até o fim do ano. Serão abertas 4.608 vagas nas novas penitenciárias, que vão precisar de 1.230 funcionários.
Apesar da desativação, pelo menos 14 Distritos Policiais (DPs) vão continuar com carceragens. Seis deles devem abrigar presos especiais, como deficientes, mulheres e detentos com nível superior. Outros oito devem abrigar detentos temporários, que estiverem sendo julgados.

Além das cadeias de Franco da Rocha e Guarulhos, serão construídas seis novas unidades para abrigar todos os presos. O projeto, com custo de R$ 110 milhões, prevê a construção de Centros de Detenção Provisória (CDP) duplos nas cidades de Balbinos, Guareí e Lavínia, no interior do Estado. Nestes novos CDPs vão ser transferidos os detentos já condenados pela Justiça. Os processos de licitações vão ser abertos nesta sexta-feira, com a publicação no Diário Oficial.

‘O preso provisório não pode ir para o interior. Tem que ficar perto por causa do Fórum. Todo o esforço é para chegar ao fim do ano sem presos em cadeias ou Distritos Policiais da capital, só em centros de detenção provisória’, explicou Alckmin.

Ao contrário da maioria dos prefeitos, que defendem a não construção de um presídio em seus municípios, o prefeito de Lavínia, Salvador Matsunaka, disse que o fato do governo estadual ter escolhido o município fará a região mais segura, gerará empregos e ativará a economia local. ‘Nós já abrigamos uma penitenciária em Lavínia. Desde a sua implantação, a segurança melhorou, pois aumentou o contingente policial e o número de viaturas’, atestou.

Segundo o secretário da Administração Penitenciária, o novo projeto visa trazer mais segurança para a população, dando liberdade aos policias para realizar os trabalhos de investigação e da polícia judiciária. ‘É uma medida acertada e que atingiu a unanimidade, pois, além da Polícia, agrada a sociedade, o Poder Judiciário, o Ministério Público e todos os partidos políticos’, disse o secretário-adjunto da Segurança Pública, Marcelo Martins de Oliveira.

ABC – O governador Geraldo Alckmin lembrou que dentro de 60 dias será entregue o CDP de Diadema. Ele também afirmou que ainda em 2004 deverão estar concluídas as obras dos Centro de Detenção Provisória de Mauá e São Bernardo.