USP: Pesquisadores de Ribeirão Preto desenvolvem pomada com proteína de semente de jaca

Produto evita a necrose de tecidos e diminui o tempo de recuperação nos casos de queimaduras na pele

qua, 17/03/2004 - 11h38 | Do Portal do Governo

Pesquisadores da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto desenvolveram uma pomada que evita a necrose de tecidos e diminui o tempo de recuperação nos casos de queimaduras na pele. O agente ativo do medicamento é a lectina KM+, uma proteína presente na semente de jaca.

O estudo, que contou com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) no financiamento e no registro das patentes, foi conduzido inicialmente pela professora Maria Cristina, do Laboratório de Imunoquímica e Glicobiologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto. Há quatro anos, ela conta com a ajuda da professora Maria Helena Goldman, do Laboratório de Biologia Molecular de Plantas da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto.

A pesquisadora acredita que, em aproximadamente cinco anos, a pomada estará disponível para uso clínico. ‘Agora estamos aperfeiçoando o método para tornar a produção viável em larga escala’, afirma.

Da Agência Imprensa Oficial

(AM)