Transportes Metropolitanos: CPTM restaura iluminação da Estação Brás

O restauro do patrimônio faz parte do Projeto Integração Centro

seg, 19/01/2004 - 14h22 | Do Portal do Governo

Nesta terça-feira, dia 20, às 19h30, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) inaugura as luminárias especiais da plataforma 01, da ‘antiga’ Estação Brás, construída em 1867, pela então São Paulo Railway (SPR), e que foi totalmente restaurada em janeiro de 2003.

Para comemorar os 450 anos de São Paulo, o evento ainda terá uma noite de autógrafos com o jornalista e cronista Lourenço Diaféria, que está lançando uma edição especial do seu livro ‘Brás – Sotaques e Desmemorias’.

Localizada na rua Domingos Paiva, a estação, que servia a antiga Estrada de Ferro Santos-Jundiaí, é tombada pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo). O restauro do patrimônio faz parte do Projeto Integração Centro, da CPTM.

Presença do secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, e do presidente da CPTM, Mário Bandeira.

Sob medida

Entre a confecção do projeto e a finalização da instalação, foram dois meses de trabalho. Foram instaladas 103 peças, entre luminárias e projetores, desenvolvidos exclusivamente para valorizar a arquitetura do século XIX ali preservada. Para a circulação de usuários, foram utilizadas 15 luminárias. As demais servem para proporcionar luz aos elementos arquitetônicos, como as paredes restauradas, cobertura, arcos da fachada e entrada da estação, bem como detalhes decorativos do telhado e da estrutura metálica do teto. As luzes são de cores quentes (amareladas) para os elementos arquitetônicos e frias (brancas) para os usuários.

A iluminação da circulação e da cobertura (sob o telhado) é feita por uma luminária que utiliza dois tipos de lâmpadas e emite fachos de luz no sentido vertical, pelo lado inferior e superior da peça iluminada. As luminárias dos arcos da fachada foram desenvolvidas para emitir fachos de luz em espelhos, que os reproduzem pelo contorno dos arcos.

A preocupação no desenvolvimento do projeto foi de instalar luminárias e projetores que não interferissem na arquitetura. Um exemplo foi a utilização de cabos e eletrodutos pintados na cor das paredes e estruturas, onde as peças foram instaladas.

Da Assessoria de Imprensa da CPTM

(LRK)