Tecnologia: IPT avalia qualidade e desempenho de componentes da construção habitacional

Avaliação é baseada em normas nacionais e internacionais

qui, 08/01/2004 - 16h05 | Do Portal do Governo

O IPT atua há vários anos na avaliação da qualidade e desempenho dos componentes empregados na construção habitacional segundo normas nacionais, internacionais ou métodos de ensaio desenvolvidos pelos próprios pesquisadores para garantir a resistência, durabilidade e eficácia dos produtos utilizados nas edificações.

É no Laboratório de Componentes e Sistemas Construtivos (LCS), da Divisão de Engenharia Civil do Instituto, que são feitas as avaliações desses produtos, desde revestimentos de pisos e paredes, até telhas e coberturas. A partir de 2001, o LCS tornou-se ‘laboratório de referência’ dos Programas Setoriais da Qualidade (PSQ) inseridos no Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Habitat para realização de ensaios e avaliação da qualidade dos caixilhos (janelas e portas) de alumínio e de PVC.

O laboratório está verificando o desempenho das janelas padronizadas fabricadas pelo mercado, do tipo de correr, com duas, quatro ou seis folhas, dimensões aproximadas de 1,0 m X 1,2 m e 1,2 m X 1,2 m, que representam a maioria das peças produzidas pela indústria e vendidas no mercado. Os testes realizados pelo IPT vêm auxiliando as associações nacionais de fabricantes a incentivarem os fabricantes a aderirem aos programas de qualidade, para garantir ao consumidor produtos padronizados, testados e com selo de garantia de desempenho.

Não são apenas os fabricantes que lideram o mercado que estão aderindo aos programas e submetendo seus produtos aos ensaios laboratoriais para obter a certificação de qualidadeA adesão dos órgãos públicos responsáveis pela incorporação e financiamento das habitações, como a Caixa Econômica Federal e a CDHU/SP garante não apenas maior qualidade das construções populares como incentiva a participação de fatias maiores dos fabricantes nos programas.

O resultado deste círculo virtuoso é a adesão cada vez maior número de fabricantes às normas, o aperfeiçoamento contínuo dos componentes de construção e a padronização segundo patamares crescentes de qualidade e eficiência.

De acordo com o pesquisador Fúlvio Berçot Miranda, responsável pelos ensaios de caixilhos do LCS, o índice de conformidade de janelas frente às normas passou de 40% em 2001, quando o LCS iniciou os trabalhos como laboratório de referência, para 70% em 2003.

O LCS efetua os ensaios nos caixilhos conforme os preceitos da norma brasileira NBR 10821:2000, que determinam a verificação da permeabilidade ao ar, da estanqueidade à água, da resistência às cargas uniformemente distribuídas, da resistência aos esforços de manuseio, como abrir e fechar repetidamente a janela. O efeito do vento e da chuva é analisado segundo padrões específicos de cada região do país. Em regiões mais frias, por exemplo, a ação do vento, e consequentemente, do desconforto causado pela infiltração de ar gelado, pode ser maior.

Os Programas de Qualidade são integrados por alguns fabricantes de grande e médio porte, geralmente responsáveis por mais de 60% do mercado formal de caixilhos, agrupados em associações e gerenciados por uma entidade neutra que é responsável pela organização, definição de parâmetros, coleta de amostras junto aos fabricantes, revendas e, eventualmente, em obras para análise no laboratório de referência do IPT.

Os resultados destes programas são atualizados e divulgados no site do Ministério das Cidades, na página correspondente ao Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade no Habitat com a relação das marcas e produtos que estão em conformidade com as normas.