Saúde: Programa de entrega de remédios em casa atende mais de 140 mil pacientes do HC

De janeiro a outubro deste ano, quase 142 mil pacientes do Instituto Central receberam medicamentos

qua, 30/11/2005 - 14h24 | Do Portal do Governo

Participam do programa cerca de 15% dos pacientes atendidos nas 33 especialidades médicas do instituto

O Programa Entrega de Medicamento em Casa, do Instituto Central (IC) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, registrou neste ano expressivo aumento no número de pacientes atendidos. De janeiro a outubro, 141.740 domicílios receberam remédios, ante 12.090 entregas em 2004. A iniciativa proporciona comodidade e economia aos assistidos no hospital.

O crescimento das entregas se deve à ampliação do serviço que, a partir de janeiro, passou a beneficiar também doentes que precisam de medicamentos de uso contínuo, disse o diretor executivo do IC, Waldemir Rezende. Participam do programa cerca de 15% dos pacientes atendidos nas 33 especialidades médicas do instituto.

Antes, a iniciativa beneficiava apenas quem necessitasse de assistência domiciliar e os transplantados de fígado ou rim, de acordo com critérios estabelecidos pelas equipes médica e farmacêutica. ‘Os portadores de moléstias crônicas também recebem em casa, pois muitos dos remédios são de alto custo e precisam ser utilizados continuadamente’, explicou Rezende. ‘A falta do medicamento poderia prejudicar a saúde do paciente.’ Para o aumento desse trabalho, o IC investiu na informatização, ampliação do número de funcionários da equipe de farmácia e contínua inspeção para evitar falhas na entrega.

Taxa mensal – Os médicos do IC têm a relação de todas as doenças abrangidas pelo programa. O paciente cuja moléstia se enquadra nessa listagem é orientado a procurar o guichê da farmácia, onde seus dados cadastrais são confirmados.

Foi criado mais um turno na farmácia: das 20 às 6 horas, período em que os profissionais digitam as receitas, separam e embalam os medicamentos, identificam o paciente e elaboram orientações, escritas e detalhadas, sobre o uso do que foi receitado.

O no serviço de entrega contratou uma empresa especializada, que passou por processo de licitação e presta o atendimento ao programa. Quem mora na capital ou Grande São Paulo paga taxa mensal de R$ 5 e recebe a encomenda de 48 a 72 horas após o pedido. A entrega nas demais localidades do Estado é feita em cinco dias úteis, ao custo de R$ 10.

Os valores das cobranças foram determinados por estudos que levaram em conta os custos do paciente ou familiar com transporte e alimentação. Dependendo da prescrição médica para o tratamento, o doente recebe a dosagem suficiente para um mês (média de intervalo entre uma consulta médica e o retorno), mais a dosagem necessária para sábados, domingos e feriados. Isso é feito para que o tratamento não seja interrompido nos finais de semana e feriados.

O IC oferece medicação de graça a todos os pacientes em tratamento no hospital. Para tanto, o instituto gasta anualmente cerca de R$ 42 milhões em remédios comuns e a Secretaria da Saúde, em torno de R$ 37 milhões para a compra de medicamentos excepcionais.

Viviane Gomes
Da Agência Imprensa Oficial