Febem de Sorocaba irá abrigar 96 menores

Unidade contará com agenda socioeducativa, cursos profissionalizantes e lazer

qui, 04/10/2001 - 16h09 | Do Portal do Governo

Dormitórios com banheiros para grupos de seis menores, sala de estar, refeitórios, oficinas de cursos profissionalizantes, salas de aula, quadras poliesportivas, cozinha, lavanderia e enfermaria. Assim são as instalações da Unidade de Internação da Febem (Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor) que o governador Geraldo Alckmin inaugurou nesta quinta-feira, dia 4, em Sorocaba.

Com 2.600 m² de área construída em um terreno de 12.600 m², a unidade, que conta também com área para a equipe técnica e administrativa, vai abrigar um total de 96 menores e obedece ao modelo de reestruturação da Febem criado na atual administração. Essa reestruturação está baseada principalmente na existência de unidades descentralizadas que possibilitam ações socioeducativas e qualificação profissional.

Alckmin lembrou que o trabalho de reformulação da Febem foi iniciado pelo governador Mário Covas há dois anos com muita luta, devido ao preconceito das cidades contra a instalação de unidades da Fundação. ‘Isto foi vencido e, felizmente, estamos conseguindo deixar os jovens mais perto de suas famílias’, disse. O governador também falou sobre a necessidade de projetos e ações para evitar que crianças e jovens caiam na criminalidade, uma das tarefas da recém-criada Secretaria da Juventude, Esportes e Lazer. ‘A Secretaria vai articular iniciativas de interesses dos jovens para que não haja necessidade de construir mais novas unidades’, informou.
O secretário da Juventude, Esportes e Lazer, Gabriel Chalita, explicou que o trabalho com os menores deve ser baseado no tripé prevenção, internação com o tratamento menos traumático possível e programa de liberdade assistida. ‘Eles precisam do apoio de toda a sociedade. É preciso acabar com o preconceito para que as pessoas acreditem que esses meninos podem se desenvolver’, disse.

Saulo de Castro de Abreu Filho, presidente da Febem, destacou a importância da proximidade dos menores com suas famílias para uma recuperação mais eficaz. ‘Eles vão perceber que não estão sofrendo a pena do banimento como ocorria anteriormente’, observou.