Especial: Parque da Juventude tem comissão de licitação

No local da Casa de Detenção do Carandiru vai surgir um centro de lazer, esporte e cultura

ter, 17/09/2002 - 10h11 | Do Portal do Governo

A população de São Paulo começa a ganhar um novo espaço para atividades de lazer, esporte e cultura. Trata-se do Parque da Juventude, que será instalado no local onde funcionava a Casa de Detenção, desativada, neste último final de semana, com a saída dos últimos 74 prisioneiros e da assinatura de decreto extinguindo as penitenciárias Carandiru I, II e III.

Para isso, a Secretaria da Juventude, Esporte e Lazer criou comissão especial de licitação para tratar do julgamento e demais procedimentos referentes à concorrência pública que irá contratar empresa para executar as obras e serviços de construção do Parque Esportivo do Carandiru. Resolução nesse sentido foi publicada no Diário Oficial do Estado, edição desta terça-feira, dia 17.

A comissão será composta por sete pessoas, entre as quais três representantes da Companhia Paulista de Obras e Serviços (CPOS), um do Sindicato dos Engenheiros no Estado de São Paulo (SEESP) e um representante do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB). Para o desenvolvimento dos trabalhos será utilizada a infra-estrutura da CPOS.

Parque da Juventude

O Parque, a ser implantado na avenida Cruzeiro do Sul, será um centro de lazer, esportes e educação. Nos seus 300 mil metros quadrados, três diferentes áreas (esportiva, central e institucional) irão desenvolver ações voltadas para jovens de todas as idades.

Para a prática de esportes serão construídas dez quadras, pistas de cooper e de skate, situadas junto à área verde. Na área central, com 50 mil metros quadrados de vegetação remanescente de mata atlântica, será construída uma concha acústica para espetáculos musicais.

A área institucional, composta pela reutilização de quatro pavilhões do antigo presídio, reunirá o Centro de Cultura, o Centro de Tecnologia da Informação e Inclusão Digital, o Centro de Excelência em Terceiro Setor e o Centro Tecnológico Paula Souza.

O Centro de Cultura oferecerá aprendizado gratuito nas áreas de dança, teatro e música. O de Tecnologia da Informação e Inclusão Digital contará com uma biblioteca virtual, além de computadores e recursos utilizados pelo programa Acessa São Paulo. Os visitantes poderão utilizar a Internet e outros serviços gratuitamente.

O Centro Tecnológico Paula Souza oferecerá diversas atividades educacionais como o Programa de Formação Profissional, cursos de nível básico, técnico e tecnológico, para a capacitação dos jovens e sua inserção no mercado de trabalho.

O Centro de Excelência em Terceiro Setor será dotado de equipamentos de alta tecnologia para permitir o acesso a informações e a realização de simulações de estruturas organizacionais. Também será um espaço de desenvolvimento e divulgação de tecnologias para o setor.

Fim da Casa de Detenção

Neste domingo, dia 17, os últimos presos deixaram o presídio, que estará aberto à visitação pública a partir desta sexta-feira, dia 20. Com a demolição dos edifícios 6, 8 e 9, em data ainda não definida, o Carandiru começará a escrever uma nova história.

Inaugurada em 1956 pelo governador Jânio Quadros, a Casa de Detenção de São Paulo foi projetada para abrigar 3.250 presos. Reestruturada, sua capacidade máxima instalada elevou-se para 6.300 presos. Desde o ano de 1975, ela deixou de cumprir a sua destinação original, de abrigar apenas os presos à espera de julgamento.

No início da década de 90, chegou a ser iniciada a construção do Carandiru 2, um conjunto de esqueletos inacabados que abrigariam mais três mil detentos. A população da Casa de Detenção chegou a ter picos de superlotação que ultrapassaram 8 mil presos.

Esse gigantismo fez com que a aquele presídio se tornasse um centro de problemas variados, servindo como exemplo dos defeitos da execução penal no Brasil, além de figurar como referência negativa para todo o sistema penitenciário.

Lúcia Alamino
Da Agência Imprensa Oficial e site do Governo do Estado