CPTM: Companhia investe em tecnologia da informação para modernizar operações

Anualmente, são gastos cerca de R$ 5 milhões para manter em funcionamento a atual rede

ter, 02/03/2004 - 9h05 | Do Portal do Governo

Para modernizar a operação dos trens e estações, a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) tem investido em Tecnologia da Informação (TI). Anualmente, são gastos cerca de R$ 5 milhões para manter em funcionamento a atual rede, uma das mais modernas do setor público, dotada de equipamentos de última geração, capazes de acompanhar o crescimento constante da demanda.

“Os usuários, em geral, não se dão conta do apoio logístico necessário para fazer um trem andar no horário”, observa Osvaldo Pazianotto, gerente de Tecnologia da Informação, da CPTM. Por isso, além da modernização dos Centros de Controle Operacional (CCO’s), composições e estações, também foi preciso ampliar e aprimorar o parque tecnológico da empresa. Hoje, a rede bem gerenciada garante, por exemplo, conhecer os níveis de estoque de peças e a ordem de prioridade para manutenção dos trens e equipamentos nas oficinas e almoxarifado.   

Até 2000, a CPTM possuía 200 estações de trabalho (workstations), computadores ligados à rede corporativa e com acesso aos serviços disponíveis. Atualmente, são mais de mil. O número de passageiros transportados diariamente também saltou de 868,5 mil, em 2000, para a média de 1,2 milhão, neste ano.

Em junho de 2001, a empresa terceirizou toda a tecnologia da informação. Com isso, a rede foi modernizada e ampliada, possibilitando a interação entre as diversas áreas da empresa, sempre com objetivo principal de prestar o melhor serviço.

O parque de TI da CPTM conta com 31 servidores, mais de mil estações de trabalho distribuídas por seis centrais administrativas e ao longo de algumas estações, interligadas por meio de links frame-relay. Essa infra-estrutura é controlada por um sistema denominado Unicenter, por onde chegam os alertas, de forma integrada, desde máquinas que estão precisando de mais memória a servidores no limite, disponibilidade do disco, taxa de utilização dos links, acessos indevidos à Internet, tráfego de arquivos não autorizados e softwares não-oficiais.

Para garantir a qualidade de serviços prestados à população é necessária uma eficiente gestão dos ativos de TI, bem como uma alta disponibilidade da rede de comunicação, que hoje está em 98% na CPTM, segundo Pazianotto.

Nos meses de janeiro e fevereiro deste ano, uma pesquisa de satisfação foi realizada com os usuários da rede. Quanto ao atendimento, 47% e 46% consideraram-se muito satisfeitos e satisfeitos, respectivamente. Apenas 3% se disseram razoavelmente satisfeitos, 1% insatisfeito e 1% muito insatisfeito. Responderam ao questionário 344 usuários da rede.

Até março, a CPTM conclui a substituição da atual versão 2.4 para a 3.1 do Unicenter,  solução adotada para gerenciamento dos seus ativos de informática. O sistema funciona como um “Big Brother” corporativo. “Hoje, temos um controle total do parque de TI e sabemos exatamente o que está rodando em cada estação de trabalho”, revela Pazianotto. A nova versão do gerenciador de rede passará a operar em formato portal, ou seja, será possível dispor, via Internet, de informações para toda a comunidade de usuários, clientes e administradores.

Da Assessoria de Imprensa da CPTM

(AM)