Alckmin participa da formatura do 1º curso superior de Polícia Integrado

Polícias Civil e Militar fazem curso unificado

sex, 06/12/2002 - 15h27 | Do Portal do Governo


O governador Geraldo Alckmin participou nesta sexta-feira, dia 6, da formatura das três primeiras turmas preparadas pelo Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores ‘Cel. Pm Nelson Freire Terra’.

Formaram-se os alunos do Curso Superior de Polícia Integrado, do Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais e do Curso Específico de Aperfeiçoamento para Delegados de Polícia das corporações Civil e Militar. A cerimônia foi realizada no Palácio dos Bandeirantes.

Esta é a primeira vez na história de São Paulo que as polícias civil e militar participam de um Curso Superior Integrado. A unificação da atividade foi implantada este ano pelo secretário de Segurança Pública, Saulo de Castro Abreu Filho. O curso foi criado para atender uma das principais metas do Plano de Ação da secretaria de Segurança. As disciplinas comuns à PM e à PC são ministradas conjuntamente. As matérias específicas foram aplicadas em separado.

O Curso Superior Integrado eqüivale a uma pós-graduação e é um requisito primordial para as promoções na carreira militar. Destina-se a preparar os policiais de alta patente, habilitando-os ao exercício das funções de comando, direção e chefia superior dos diversos órgãos da corporação.

Com quase 2 mil horas, o curso durou nove meses e foi realizado no Centro de Aperfeiçoamento e Estudos Superiores da PM (CAES) e na Academia da Polícia Civil (Acadepol).

A formatura reuniu 126 integrantes das polícias e foi dividida nas seguintes categorias:

  • 58 formandos do Curso Superior de Polícia Integrado, dos quais 30 oficiais da PM (que podem vir a ser promovidos para tenente-coronel) e 28 delegados da PC (que estão aptos a concorrer às futuras promoções de classes, passando de 1ª, para classe especial, e de 3ª para 2ª. Os primeiros poderão concorrer ao cargo de diretores ou seccionais e o segundos, poderão ser assistentes em Delegacias de Polícia).
  • 37 capitães da PM no Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais da PM, condição necessária para atingirem o cargo de major.
  • 31 delegados de 3ª Classe do Curso de Aperfeiçoamento de Delegados. O curso é uma exigência legal para se obter a promoção ao cargo de delegado de 2ª classe.

    Oficiais vão fazer cursos no exterior

    Paraninfo da turma, o governador Geraldo Alckmin destacou o marco histórico da realização deste primeiro Curso Superior de Polícia Integrada. ‘É uma grande importância para o aperfeiçoamento do trabalho da segurança pública’.

    Ele ressaltou que a polícia de São Paulo tem a tradição de aliar experiência com capacitação continuada, possibilitando a ascensão na carreira policial.

    Alckmin disse que este Curso vai possibilitar aos formandos conhecerem os métodos de trabalho de policiais no exterior para aperfeiçoarem a ação da polícia paulista. ‘O sucesso da ação de vocês significa a vitória da justiça, da tranqüilidade da família e a qualidade de vida dos paulistas’, disse.

    O secretário Saulo Abreu destacou o grande empenho da polícia na virada do jogo contra o crime no Estado de São Paulo. E, desculpou-se pelo alto nível de cobrança que impôs à corporação. ‘Tenho consciência de que exigi de vocês o além do razoável do esforço humano. E não me decepcionei, não decepcionamos o governador e nem os paulistas, pois atuamos numa área muito cobrada’, analisou.

    Ele observou que o curso deu uma dupla motivação à corporação, que conta com homens que estão no topo de sua carreira. ‘O curso, além de propiciar o ambiente de academia, de integração, possibilitou também as discussões sobre as estratégias que foram aplicadas no cotidiano para atender exigências da sociedade paulista’.

    Para se combater com rigor as questões da violência, que hoje é um dos grandes obstáculos mundiais, Saulo de Abreu relevou a necessidade de se acelerar a integração das polícias. Observou também a importância da troca de experiência da corporação no exterior. ‘Não podemos mais ficarmos auto centrados em nosso Estado’, disse.

    Valéria Cintra

    C.A