Transferência Parque Ceret para Prefeitura

Com a iniciativa, SP ganha o Complexo Esportivo Parque do Trabalhador

ter, 27/05/2008 - 19h56 | Do Portal do Governo

O governador José Serra transferiu na tarde desta terça-feira, 27, o antigo Ceret (Centro Educativo, Recreativo e Esportivo do Trabalhador) para a prefeitura da capital. Com a iniciativa, São Paulo terá um novo parque público, o Complexo Esportivo Parque do Trabalhador. Na ocasião, Serra fez o seguinte pronunciamento.

Governador: Realmente, eu e o Aloysio chegamos aqui às duas horas em ponto. Não tinha uma alma. Depois o pessoal diz que eu costumo chegar atrasado, o que é verdade, mas hoje não foi de acordo com o costume.

Eu queria dar as boas vindas a todos e a todas, prefeitos aqui presentes. Quero reafirmar alguns princípios e fazer um pedido. Primeiro, o princípio que nós temos seguido de trabalhar junto com a Assembléia Legislativa. Aqui estão os deputados Julio Boni, o deputado Caramez, o Mauro, Maria Lúcia, o Baleia, são testemunhas. Estava aqui a Ana Alice até agora há pouco, são testemunhas dessa nossa parceria. Caramez me dizia agora, com um pouco de exagero, mas de uma maneira importante.

Caramez:  Boa tarde a todos. Eu dizia ao governador que nós temos que dar um testemunho de público: assim como vocês, prefeitos, estão sendo prestigiados e valorizados, nós da Assembléia, nunca fomos tão valorizados e prestigiados como estamos sendo pelo governador Serra.

Governador: Esse é um principio. A gente tem trabalhado com a Assembléia. E a Assembléia tem aprovado tudo aquilo de fundamental que o governo enviou. E com rapidez. Porque às vezes não adianta demorar um ano, dois. Nós conseguimos recursos para tudo isso e outras coisas, graças à cooperação da Assembléia Legislativa. Eu queria deixar isso muito claro.

Segunda questão: nós não fazemos, como foi dito aqui, discriminação partidária. Não há hipótese disto. Discriminação de natureza partidária. A gente trabalha com todo mundo. Hoje nos jornais saiu uma declaração do prefeito de Diadema, do PT, que inaugurou lá uma questão de saúde, dizendo que lá não tinha dinheiro do Governo do Estado. Sabe por quê? Porque ele não veio pedir. Porque ele nunca me pediu audiência. Aliás, contrariamente a outros prefeitos do próprio PT. E nós vamos fazer uma FATEC em Diadema, vai inaugurar no fim do ano. Dentro do município dele. O sujeito ainda vem de público dizer uma coisa dessas.

Terceiro, é que não há, na nossa perspectiva, problema pequeno. Eu já disse isso várias vezes, mesmo durante a campanha. Porque o que é problema pequeno para o Governo do Estado pode ser um imenso problema para uma rua, para um bairro, para um município, para uma região. Então a gente tem que saber valorizar as necessidades que os municípios têm, independentemente do seu tamanho. Esse é o terceiro principio que nós temos seguido ao pé da letra.

Um pedido: que vocês façam as coisas. Nós estamos pressionando os prefeitos para fazerem acontecer. Hoje, a pressão não é em cima do governador. A pressão é em cima do prefeito para aproveitar os programas existentes, as emendas. Fazer os projetos. Pau na obra. Tocar para diante. Isso é o que é mais importante. Com isso, ganha o povo de São Paulo, ganham vocês e ganha o Governo do Estado, também, com as coisas acontecendo. Isso é o que nós precisamos. É incomum, isso. Em geral, a pressão vem sobre o governo, não é? E os prefeitos sempre reclamando, os deputados também.

Agora, nós temos a situação inversa. Quem está reclamando é o Governo do Estado, porque as coisas têm que andar mais depressa.

Um pedido suplementar que eu queria fazer aqui. Eu queria que fosse bem entendido. Nós precisamos mostrar o que o governo está fazendo. Todo mundo aqui sabe. Eu nunca liguei para nenhum prefeito para dizer “saiu tal verba”. Nem o Aloysio. Para dizer, olhar, “saiu tal coisa”. É muito raro fazer isso. Por quê? Porque toma um tempo enorme e não está se fazendo um favor, é um trabalho conjunto.

Então, a gente não faz isso. Mas é importante que a população saiba das coisas, saiba da participação do governo nas coisas. Eu queria pedir a vocês que, mesmo nas obras com as quais a gente repassa recurso, que a Prefeitura executa diretamente, que ponham as placas. Governo do Estado, obra que teve o apoio do Governo do Estado, para que a população tome conhecimento.

Isso não é uma questão político-partidária. É uma questão política, no sentido sadio da palavra, porque a população tem que ser informada. Mesmo quando eu vou a uma região, a tendência. Primeiro, não dá para ir a todos os lugares. Em geral, vai para o interior, vai para duas ou três cidades. A gente fala na mídia, mas na mídia não dá para fazer um relatório. Estamos fazendo tal coisa, tal coisa, tal coisa. É impossível. Então, isso aí fica no ar. Nem com a publicidade do governo de prestação de serviço, também dá para dizer isso.

Na verdade, essa é uma coisa capilar. Nós só queríamos essa contrapartida e, mesmo se não fizer isso, vai continuar recebendo. Não há nenhuma sanção, nenhuma punição por causa disso, mas seria importante que fizesse até para que tenhamos um estímulo recíproco do trabalho conjunto.

Eu não sei quem, aqui, quem vai para a reeleição. Deve ser uma boa parte. Nós vamos continuar trabalhando juntos, mais adiante, com o município, com vocês de fora ou dentro da prefeitura, tendo um único critério: o interesse da população de São Paulo, do nosso povo, principalmente daqueles que mais precisam. O interesse do nosso Estado, do nosso desenvolvimento.

Muito obrigado.