Alckmin discursa em reunião do Conselho Estadual de Política Energética

Geraldo Alckmin: Bom dia a todas e a todos, eu quero saudar a todos, o Afif; secretário de Energia, deputado José Aníbal; os secretários do Estado; cumprimentar a todos os […]

qua, 30/03/2011 - 19h00 | Do Portal do Governo

Geraldo Alckmin: Bom dia a todas e a todos, eu quero saudar a todos, o Afif; secretário de Energia, deputado José Aníbal; os secretários do Estado; cumprimentar a todos os membros do Conselho. Agradecer a importante participação de todos, destacar a importância do Conselho Estadual de Política Energética, que reúne aqui as principais secretarias do Estado de São Paulo, reúne a Assembleia Legislativa, o poder legislativo, reúne a universidade, reúne institutos de pesquisa, reúne o setor produtivo, a indústria, o comércio de serviços e a agricultura, reúne grandes mestres da área de energia [ininteligível] a maior expertise do nosso país frente aos grandes desafios que nós temos. São Paulo tem tamanho de país praticamente, uma parte industrial enorme com população muito grande. E temos aqui boas oportunidades também. Primeiro com fatos novos com o pré-sal e as descobertas da Bacia de Santos, temos o petróleo e gás, em especialmente o gás através das termoelétricas a gente pode abrir um outro espaço enorme de crescimento, de produção de eletricidade. E especialmente também, cana de açúcar. Somos o maior produtor mundial de açúcar e álcool e temos aí grandes avanços na área de co-geração de bagaço de cana. Enfim, perspectivas importantes.

Já temos uma matriz limpa, temos hidroelétricas ao longo dos nossos rios Tietê, Rio Grande, Paransão, Paranapanema, pequenas hidrelétricas que sempre podem melhorar a sua eficiência e duas empresas estatais estatais, a Acesp e a EMAE. Temos também, hoje é um tema que precisa ser discutido, a questão da energia nuclear, o seu futuro, a sua segurança que também é relevante, energia eólica é também uma possibilidade significativa. São Paulo já tem uma matriz mais limpa, como nós vimos, aliás, há nove anos atrás nós reduzimos o ICMS do álcool combustível, etanol que era 25% para 12%. Isso ajudou a consolidar o carro, os motores Flexfuel, biocombustível e na realidade o carro em São Paulo virar carro a álcool.

Agora estamos em um momento de preços não tão competitivos, mas isso é muito raro. E aí o consumidor tem a faca e o queijo na mão para poder decidir sobre o seu combustível. Mas acho que nós temos aí bons desafios pela frente e temos a questão da sustentabilidade, ou seja, como crescer preservando o meio ambiente, procurando reduzir emissão de gás de efeito estufa e ninguém venha culpar as nossas vaquinhas, não é João Sampaio? Esses animais sagrados… não é isso doutor Fábio Meireles? Agricultors é o caminho para a gente poder avançar. Mas nós queremos agradecer muito a participação tão importante de todos aqui do Conselho Estadual de Política Energética e cumprimentar aqui o José Aníbal, nosso presidente, pelo seu trabalho, pela sua dedicação. Pedir licença a vocês porque eu ainda tenho mais um compromisso e hoje eu como bom leiteiro que acorda cedo, já as seis da manhã já estava lá na despedida do nosso querido José de Alencar e tenho certeza de que esse Conselho trará grande contribuição a São Paulo e, por consequência, ao nosso país. E muitíssimo obrigado pela importante participação de cada um aqui no Conselho Estadual de Política Energética. E cumprimentar pela boa exposição feita aqui inicialmente sobre a matriz energética de São Paulo e os cenários para o futuro feito pela equipe aqui da LCA.

Muitíssimo obrigado!