Espaço de Convivência do Idoso promove atividades no Parque da Água Branca

Há mais de dez anos, o Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo (Fussesp) conduz as ações ligadas ao projeto do Espaço de Convivência do Idoso (ECI), localizado no Parque da Água Branca, na capital paulista. Os cidadãos acima de 55 anos podem participar de diversas atividades gratuitas desenvolvidas no ambiente. Vale destacar […]

qui, 30/08/2018 - 19h04 | Do Portal do Governo

Há mais de dez anos, o Fundo Social de Solidariedade do Estado de São Paulo (Fussesp) conduz as ações ligadas ao projeto do Espaço de Convivência do Idoso (ECI), localizado no Parque da Água Branca, na capital paulista. Os cidadãos acima de 55 anos podem participar de diversas atividades gratuitas desenvolvidas no ambiente.

Vale destacar que o principal objetivo dos cursos é estimular a inclusão social, com base no respeito às trajetórias de cada membro que participa da aprendizagem. Como resultado, pode ser observado um aumento de autoestima, qualificação e integração. Cada grupo tem a atenção de profissionais especializados em educação e terceira idade.

Com abordagens nas áreas de música, atividades físicas, informática e artesanato, os cursos oferecidos têm duração de 4 meses. É importante frisar que os encontros são realizados duas vezes por semana, de segunda a sexta, nos períodos da manhã ou da tarde. Cada frequentador pode participar de uma turma no período no quadrimestre.

Cursos

Bordados, danças populares brasileiras, violão e oficina de celular são alguns dos cursos oferecidos pelo ECI, que permanece aberto de segunda a sexta-feira, entre 9h e 16h30. O local também conta com atividades interessantes, voltadas à leitura dos frequentadores: o clube de leitura e a feira de troca de livros (ambos ocorrem às sextas-feiras).

“As ações representam maneiras de tornar o livro acessível e criar um ambiente favorável à leitura”, avalia a bibliotecária Taís Mathias, coordenadora do acervo dos projetos Espaço de Convivência do Idoso e Espaço de Leitura, ambos no Parque da Água Branca. “Trata-se de um serviço de atendimento para a melhora da saúde. Trabalhamos muito o compartilhamento da subjetividade e o exercício do diálogo”, acrescenta.

De acordo com a bibliotecária, os principais gêneros consultados pelos frequentadores diz respeito a poesias, biografias e textos religiosos ou de autoajuda. “Trabalhamos com o acesso à educação, cultura e inclusão”, afirma.

Amizades

Aos 80 anos, o metalúrgico aposentado Oscar Galdino Gonçalves vai ao ECI e participa das atividades de leitura, às sextas-feiras, enquanto a esposa assiste a aulas da oficina de celular, explora as funcionalidades dos aparelhos.

Ao fazer uma pausa da leitura da obra “O Lenhador”, da Catullo da Paixão Cearense, o pernambucano destaca o que mais chama a atenção dele no local. “Gosto de tudo. Tenho meus livros em casa, mas venho aqui. Em geral, o idoso é que se prende e se acha desprezado”, diz. Morador do bairro de Perus, na zona norte de São Paulo, o metalúrgico aposentado se destaca por fazer amizades com outros frequentadores.

A professora aposentada de Língua Portuguesa Marly Ferreira Viviani, de 74 anos, já se matriculou em vários cursos do ECI. Atualmente, ela participa da oficina de celular, mas já passou pelas atividades ligadas a desenho, tapeçaria, pintura e marchetaria. “A tecnologia faz parte da vida. Vim à procura de aprender mais sobre os celulares”, enfatiza.

Acolhimento

Após o falecimento do esposo, em 2004, a professora passou a procurar por cursos que não tinha feito. Moradora de Higienópolis, na região central da capital paulista, Marly Ferreira Viviani também gosta de esportes ao ar livre. “Me sinto acolhida aqui. É uma válvula de escape para recarregar as energias”, acrescenta.

Segundo o coordenador educativo do ECI, Renato Nonato, os cidadãos querem se ocupar e transitar fora do ambiente doméstico. “A política pública trabalha na atenção à vulnerabilidade do idoso e na criação de vínculos. Conseguimos prevenir males”, analisa.

Como desafio, Renato Nonato destaca a importância de ampliar as políticas públicas no setor, sobretudo ligadas à prevenção e ao convívio. Os interessados podem conferir, pela internet, a relação de cursos e dias de atividades.