Zona Leste recebe a 11ª Escola Técnica

Governador: Queria dar o meu boa tarde a todos e a todas. É o que o Alexandre trabalha, como eu, até de madrugada. Eu, às vezes, a tarde também, para mim é de manhã. O começo da noite é a tarde e lá por meia-noite é noitinha. Bem, queria cumprimentar o Alexandre Schneider, secretário municipal […]

qui, 02/10/2008 - 18h36 | Do Portal do Governo

Governador: Queria dar o meu boa tarde a todos e a todas. É o que o Alexandre trabalha, como eu, até de madrugada. Eu, às vezes, a tarde também, para mim é de manhã. O começo da noite é a tarde e lá por meia-noite é noitinha.

Bem, queria cumprimentar o Alexandre Schneider, secretário municipal da Educação. Quero dizer que este prédio aqui é cedido pelo município, pela Prefeitura, para instalarmos esta Etec. Um bom prédio, como se vê. Portanto, é um trabalho de cooperação.

Queria cumprimentar o Nelson, que é o secretário municipal do Trabalho. A Laura, que é a superintendente do Centro Paula Souza. O Centro Paula Souza é o braço do Estado no ensino técnico e no ensino tecnológico. Às vezes, eu fico preocupado porque o pessoal deve achar que é a tia Paula que está fazendo todas essas escolas, não é? Mas, às vezes, é assim: “Essa escola é do Estado? Não, não é da Paula Souza?” Mas a Paula Souza é do Estado.

Queria cumprimentar o Carlos Alberto Bezerra, vereador do município aqui presente. O Vicente, que é subprefeito de Aricanduva, desde que eu estava na Prefeitura. O Eduardo, de Ermelino Matarazzo, e o Reinaldo, da Vila Prudente e Sapopemba.

Queria, também, saudar aqui o coronel Segala, da PM, comandante do CPM-9 da região leste de São Paulo. Queria, também, foi embora o delegado, e o diretor da escola técnica, o Marcelo. Queria cumprimentar os professores, lideranças e moradores.

Nós estamos dando seqüência ao nosso programa para ensino técnico e para ensino tecnológico. As metas que nós fixamos no começo do governo são muito ambiciosas. Encontramos 26 Fatecs, faculdades de tecnologia. Vamos fazer 52, no mínimo. O importante é o seguinte: nós já ultrapassamos a meta, de certo modo, porque não chegou a metade do governo e já temos 45 das 52. Portanto, estamos andando depressa.

No que se refere às Etecs, às escolas técnicas, nós encontramos 126. Até o final do governo, vamos a 196. Em funcionamento, já estão 151. Ou seja, já aumentamos 25, isso em todo o Estado de São Paulo. Mas, aqui, o número de escolas não reflete o ritmo de expansão, porque no caso das Etecs nós estamos expandindo também o número de alunos por escola, nas preexistentes e nas novas, que estão com mais alunos.

Nós encontramos 70 e poucos mil alunos nas Etecs. Vamos deixar, de vagas, mais de 170 mil. Esta é uma verdadeira revolução no ensino técnico e tecnológico em São Paulo. Uma revolução clandestina porque não se consegue divulgar isso. O nosso investimento é superior ao do governo federal em todo o Brasil, em ensino técnico e tecnológico. O fato de ele existir estimula o governo federal a fazer uma competição saudável. Quem sai ganhando é a nossa população, especialmente a nossa juventude.

Numa Etec, 80% dos formados depois de um ano e meio de estudo, nível médio, conseguem emprego. Numa Fatec, mais de 90% conseguem emprego na hora. Portanto, na verdade, o Centro Paula Souza é uma fábrica de empregos. Empregos bons, empregos com qualificação, que não impedem, no caso da Etecs, que os alunos, depois, cursem universidade, que concluam o ensino médio.

Nós estamos expandindo também – muito – o ensino médio do Centro Paula Souza, ou seja, das Etecs. É o melhor ensino médio público de São Paulo e dos melhores do Brasil. Quando se fazem esses exames nacionais, do Enem, as escolas de ensino médio de São Paulo melhores, comparáveis ou ultrapassam muitas em outros Estados, são as Etecs. Ou seja, o ensino médio que a Paula Souza proporciona que é separado do ensino técnico. O aluno tende a ficar tempo integral. Metade ensino médio, metade ensino técnico. Mas nós proporcionamos, também, o ensino médio.

Há outra coisa importante. É que nós estamos aumentando – mais do que proporcionalmente – estamos aumentando em todo lugar, na região da Grande São Paulo e na Capital, porque das Etecs existentes, dos alunos, quantos eram aqui na cidade? 14 num total, num total de quantas?

Voz: De 126.

Governador: 126. Pouco mais de 10% na Capital, que tem 25% da população e onde existe desemprego mais sério. Isso vale, em escala maior, para a Grande São Paulo. Também é a mesma coisa. Então, nós estamos aumentando em todo lugar, mas estamos dando à Grande São Paulo uma proporção que corresponda à sua população, pelo menos nos aproximando disso. Isso é fundamental, é um assunto que se debate pouco: a questão da distribuição dos investimentos. A gente sabe que a Grande São Paulo é a região-problema do Estado.

O Interior é quase um país desenvolvido. A gente investe muito no Interior, mas é outro tipo de investimento. São estradas, por exemplo, são os atendimentos médicos ambulatoriais. O perfil é diferente. Aqui, a gente tem que recuperar atraso e é muito metrô, muito CPTM, muito em Etecs e Fatecs. Enfim, recuperando os diferentes atrasos que existem nas diversas áreas.

É com muita alegria que eu vim hoje a Vila Formosa, que é um lugar próximo de onde eu morava, e de onde mora a minha família, que ainda mora lá na Mooca.

Na época, era muito longe. Hoje, é vizinho. Vila Formosa é quase centro, comparativamente ao que aconteceu com a expansão da cidade. É uma região com a qual eu tenho bastante familiaridade.

Queria agradecer a presença de todos e de todas, cumprimentar o Centro Paula Souza na pessoa da Laura Laganá. Se há um lugar do governo em que a ação individual faz diferença, é a Paula Souza com a Laura. Ela faz diferença. Eu não sei se a gente teria tido capacidade para fazer essa expansão que estamos fazendo se não contássemos com ela. Em geral, nos diferentes lugares, todo mundo tem um substituto. A Laura não tem. Realmente, é fora de série. 

Muito obrigado e um grande abraço a todos e a todas.