Serra discursa em lançamento do programa de assistência às vítimas das chuvas

Governador José Serra: Queria dar o meu boa tarde a todos e a todas. Nós viemos aqui para, no fundo, prestar contas de algumas coisas que estão em andamento. Atuamos em muitas áreas em relação aos Municípios flagelados. São Luiz (do Paraitinga) condensa, de alguma maneira, tudo o que a gente tem procurado fazer em São […]

sex, 12/02/2010 - 14h57 | Do Portal do Governo

Governador José Serra: Queria dar o meu boa tarde a todos e a todas. Nós viemos aqui para, no fundo, prestar contas de algumas coisas que estão em andamento. Atuamos em muitas áreas em relação aos Municípios flagelados. São Luiz (do Paraitinga) condensa, de alguma maneira, tudo o que a gente tem procurado fazer em São Paulo, em função dos Municípios que foram flagelados pelos temporais.

Nunca choveu tanto em São Paulo. Desde que se documenta, nunca se registrou uma chuva assim (em) 60, 70 anos. Um dia atrás do outro. E a gente tem se desdobrado por todo o lado, procurando recursos financeiros e também os próprios recursos humanos e materiais do Estado. 

Aqui, por exemplo, em São Luiz e em Cunha, nós trabalhamos nas estradas de terra, que são da Agricultura. Aqui (em São Luiz) já foram 50 quilômetros liberados, e tem 250 em que nós estamos trabalhando. Em Cunha foram 119 barreiras removidas. É impressionante, porque Cunha é um Município imenso – 100 quilômetros liberados, de estradas, mais 1.800 em obras. É impressionante… Mas essa é uma ação que não se vê, embora seja fundamental para o restabelecimento da vida nos Municípios.

Aqui, a CDHU (Companhia de Desenvolvimento Habitacional Urbano), como disse a prefeita (de São Luiz do Paraitinga, Ana Lucia Sicherle) vai construir um belo conjunto habitacional.  A CDHU também está tornando disponível dinheiro para a reforma das casas… porque não precisa fazer uma nova casa, pode ter um subsídio de até 50%, até metade – na verdade pode ser a fundo perdido, dependendo da casa, da renda das famílias e tudo o mais. Na Saúde, são dois Postos de Saúde: um que vai ser totalmente reformado e equipado, o outro que vai ser feito de novo, que é de equipe de Saúde da Família. Nas escolas, o secretário Paulo Renato (Souza, da Educação) já disse que são mais de 4,3 milhões de reais para construir; para reformar; para equipar e até para o transporte.

Nós entregamos ônibus para as Prefeituras, um ônibus muito seguro, feito especialmente para transportar a garotada. No caso de Cunha e São Luiz vão receber dois – vai ter um por Município, aqui no caso serão dois. Os remédios… nós mandamos estoque aqui para 3 meses. Além do mais, estamos a fim de dar financiamento pela Nossa Caixa Desenvolvimento para as empresas que faturam até 2,4 milhões de reais por ano, para poderem retomar as suas atividades. (E tem ainda:) Banco do Povo; isenção de tarifa de água da SABESP (Companhia de Saneamento Básico do Estado) – ampliação da tarifa social, que é bem menor do que a tarifa comum. E, hoje, um convênio para a prefeita comprar máquinas, 1,5 milhão de reais. Mas nós vamos também fazer um convênio com Cunha, de 800 mil reais, passando recursos para essa área de máquinas, para a Prefeitura poder trabalhar por conta própria.

O (secretário de Economia e Planejamento do Estado, Francisco) Luna até fez uma conta aproximada do que nós já entregamos de recursos financeiros aqui em São Luiz – é em torno de 50 milhões de reais, para mais. É um dado aproximado, mas entre Habitação, entre esses convênios, moradia, Saúde, Cultura – porque estamos empenhados na reconstrução do patrimônio cultural aqui, inclusive das duas igrejas. Enfim, muita coisa voltada para amenizar o que foi uma verdadeira calamidade pública, o que aconteceu aqui. Eu me lembro até hoje do primeiro dia, quando andamos de barquinho, um bote, e com aqueles heróis do rafting. Salvaram vidas – uma coisa bendita. Imagina salvar vidas, salvar uma vida, o que deve representar para qualquer pessoa. E eles fizeram isso. Eu queria novamente expressar o grande reconhecimento, em nome de São Paulo, a esse pessoal.

Agora, hoje nós estamos também anunciando aqui um novo programa. O Auxílio Moradia hoje vai pagar 3 meses de  300 reais para 304 famílias que vão receber, porque conta para trás, três meses. Mas nós criamos um programa maior, chamado Novo Começo. Esse programa vai dar para as famílias, inclusive as famílias que hoje estão recebendo o auxílio, mil reais logo de cara. Para que? Para que possam comprar os móveis que perderam, (fazer) uma reformazinha adicional, enfim, para que tenham um apoio em relação a uma perda que tiveram. Nós estamos fazendo isso agora, porque, apesar de que as chuvas não pararam, é a hora do balanço – vê, faz um diagnóstico, ouve as Prefeituras… e essa foi uma demanda geral das Prefeituras. E têm o seu auxilio aluguel também. Esses 300 (reais) que nós estamos dando não excluem que a Prefeitura, esta ou aquela, também dê a sua parte. E este auxílio de mil reais também não exclui outras coisas, como uma nova moradia, entrar na coisa da CDHU, reformar, etc. Não exclui nada, mas permite um novo começo.

Esse programa está sendo lançado para todo o Estado de São Paulo – e vamos entregar (os mil reais) para famílias que a Prefeitura apresente o cadastro. Portanto, dependemos das Prefeituras e da confiança que temos nos prefeitos, que farão um bom trabalho nesse sentido, porque o Estado não tem condição, o Governo do Estado, de ir lá ao bairro saber quem é quem, etc. Isso tem que ser através da Prefeitura. Estamos lançando aqui um programa novo, Novo Começo. Eu escolhi fazer isso aqui em São Luiz. Vou assinar hoje a implantação do programa aqui mesmo em São Luiz do Paraitinga.

Muito obrigado a vocês – e vamos tocar para a frente que, se Deus quiser, as coisas vão melhorar pouco a pouco. Cada dia vai ser melhor que o anterior, e amanhã melhor do que hoje.

Muito obrigado!