Serra discursa durante evento Praia Acessível

Governador José Serra: Eu queria dar o meu boa tarde a todos e a todas. Hoje é um dia em que estamos avançando mais um pouco na questão dos portadores de deficiência. Ao longo da semana que vem, entregaremos 100 cadeiras para as diferentes Prefeituras. A médio prazo teremos 1.000, de maneira que todas as […]

seg, 15/02/2010 - 12h31 | Do Portal do Governo

Governador José Serra: Eu queria dar o meu boa tarde a todos e a todas. Hoje é um dia em que estamos avançando mais um pouco na questão dos portadores de deficiência. Ao longo da semana que vem, entregaremos 100 cadeiras para as diferentes Prefeituras. A médio prazo teremos 1.000, de maneira que todas as Prefeituras aqui da Baixada (Santista) e do Litoral, como a de Ilhabela, poderão ter essas cadeiras que foram projetadas especialmente pela Secretaria (de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência) desde dezembro, quando tivemos a ideia.

Segundo a (secretária dos Direitos da Pessoa com Deficiência) Linamara (Battistella), é uma cadeira que não afunda na areia e flutua na água. O que precisa é um acompanhante – é indispensável, do contrário poderá ser perigosa. Mas este é um detalhe dentro de todo o trabalho que a gente está fazendo de reabilitação, de maior conforto e de oportunidades para as pessoas com deficiência física no Estado de São Paulo. Na semana passada inauguramos uma biblioteca no lugar do antigo Carandiru (Casa de Detenção transformada no Parque da Juventude), em São Paulo, que é a mais avançada do mundo em matéria de acessibilidade, inclusive, para deficientes visuais. Vocês imaginem que tem uma maquininha que quem quiser ler um livro bota lá e aperta um botão – sai escrito em braile embaixo, e é lido também em voz alta. É uma coisa incrível. Eu nem sabia que existia essa tecnologia, mas tem todo tipo também de equipamento para facilitar o acesso do deficiente físico.

Por outro lado, cuidamos também de incentivar as Prefeituras a trabalharem a acessibilidade. O próprio Governo do Estado está fazendo isso no seu meio de transporte, que é o Metrô, a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), os trens de subúrbio. Mas incentivamos as Prefeituras porque a Prefeitura está mais diretamente envolvida na questão da acessibilidade, como vai estar aqui neste programa do acesso à água.

Estamos criando uma Rede de Reabilitação (Lucy Montoro), hospitais de reabilitação. Na Baixada vai ter um. Já tem um que está funcionando em São Paulo. Vão ser 11 ou 12 no Estado – e vamos fazer um em Santos, de maneira que todo o pessoal poderá ser atendido em Santos. É uma obra regional e, ao mesmo tempo, é um centro de referência para treinamento de profissionais para essa área. Um trabalho de formação profissional, de colocação de empregos – enfim, muita coisa.

O fato é que são mais de 4 milhões de pessoas no Estado de São Paulo que têm algum tipo de deficiência. Ou nasceram assim, ou sofreram acidente, ou a idade, algum acidente vascular – enfim, pessoas que por alguma razão ficam com problemas de mobilidade. E nós estamos, pioneiramente, fazendo um enfrentamento sistemático dessas questões, ao lado de todas essas pessoas e das suas famílias.

O que tem hoje aqui é mais uma demonstração, um pequeno detalhe de um trabalho muito mais amplo. Inclusive eu vim aqui hoje, na segunda-feira de Carnaval, com muito prazer, para dar o ponto de partida neste novo programa. O que eu quero dizer é que vai depender das Prefeituras, o seu controle é coisa essencialmente das Prefeituras. Mas o Estado vai estar presente, fornecendo os equipamentos e toda assessoria que é necessária para que o programa caminhe com as próprias pernas.

Muito obrigado!