Discurso de posse do governador João Doria no Palácio dos Bandeirantes

DISCURSO – JOÃO DORIA – PALÁCIO DOS BANDEIRANTES – 01.01.2019 JOÃO DORIA, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Bom dia a todas e a todos. Feliz 2019. O ano da esperança, o ano da transformação. Quero registrar a minha alegria de estar ao lado da Bia, minha esposa, representando aqui toda a nossa família. Bia, muito obrigado, […]

ter, 01/01/2019 - 12h20 | Do Portal do Governo

DISCURSO – JOÃO DORIA – PALÁCIO DOS BANDEIRANTES – 01.01.2019

JOÃO DORIA, GOVERNADOR DE SÃO PAULO: Bom dia a todas e a todos. Feliz 2019. O ano da esperança, o ano da transformação. Quero registrar a minha alegria de estar ao lado da Bia, minha esposa, representando aqui toda a nossa família. Bia, muito obrigado, você é minha companheira, minha esposa, mãe dos meus filhos, minha amiga e conselheira. Podem aplaudir. Cumprimentar o nosso vice-governador, Rodrigo Garcia, e a sua esposa Luciana. Rodrigo que tem dupla missão, presidente Manoel Calças, e um salário, vai ser secretário de Governo e vice-governador e só ganha um salário e vai trabalhar três vezes mais. Uma salva de palmas ao Rodrigo Garcia.

Aqui à mesa também a minha saudação a ele que nos recebeu na sua casa, na Assembleia Legislativa agora há pouco, o deputado Cauê Macris. Jovem deputado, presidente da Assembleia Legislativa do estado de São Paulo, uma das jovens lideranças do meu partido PSDB. Também à mesa, nos tornamos amigos e eu me tornei também o seu admirador, desembargador Manoel Calças, presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. Registrar ainda uma saudação ao ex-governador do estado de São Paulo, Luiz Fleury, que aqui está. Luiz muito obrigado pela delicadeza da sua presença aqui. Minha saudação também a Ika, sua esposa. Muito grato pela presença.

Quero também fazer uma saudação especial a uma mulher guerreira que representa o sentimento da mulher brasileira, da mulher guerreira, da mulher que luta. Ela que foi eleita senadora da República do Brasil por São Paulo, Mara Gabrilli. Meu abraço especial ao prefeito em exercício da cidade de São Paulo, representando o Bruno, que amanhã estaremos juntos na primeira agenda aqui na capital de São Paulo, vereador Eduardo Tuma. A quem eu saúdo, meu bom e querido amigo, igualmente do meu partido o PSDB. E um abraço para você também, Milton! Milton Leite que está aqui que há pouco ocupava essa posição. Vamos dar uma salva de palmas também ao Milton Leite que aqui está. Foi presidente da Câmara, foi prefeito interino, grande líder. Obrigado, Milton.

Quero também pedir desculpas por não saudar nominalmente todos os presentes, mas lembrar e agradecer a presença de parlamentares, deputados federais, deputados estaduais, vereadores, secretários de estado aqui empossados, sobre eles vou me referir na sequência. Os membros do Poder Judiciário, do Ministério Público, representantes do Corpo Consular e aqui a presença de vários cônsules. Prefeitas e prefeitos, autoridades religiosas. Muito grato pela presença de todos aqui. Autoridades civis e militares, representantes de federações, associações, entidades de classe e lideranças políticas. Vejo com muita alegria também a presença de militantes do meu partido PSDB, que nos ajudaram a ganhar as eleições. Obrigado pela presença de vocês aqui.

Ismânio, muito grato mais uma vez pela sua presença. Todos que já foram nominados também na Assembleia Legislativa representando os tribunais, o Tribunal Regional Eleitoral, Promotoria Pública e os demais setores que compõem a importância do nosso estado.

Quero aqui voltar a dar o bom dia aos brasileiros de São Paulo, aos que nasceram no Brasil, aos que nasceram em São Paulo e aos que escolheram São Paulo e o Brasil para viver. Quero começar agradecendo a Bia, minha esposa e aos meus filhos, Carolina, Filipe e Johnny que não puderam estar aqui hoje conosco e os meus irmãos Raul, Marcelo e Rafael e todos os demais membros da nossa família aqui representados por você, Bia, inclusive sua mãe que mandou uma mensagem agora tão bonita, tão emocionante para nós quando estávamos a caminho aqui do Palácio. Quero também agradecer e controlar a minha emoção para agradecer a Maria Silvia e meu pai, João Doria, que lá de cima guiam os meus caminhos, sempre guiaram.

Quero agradecer a cada secretário, cada secretária, dirigentes de empresas e autarquias que aceitaram o nosso convite para transformar para melhor a vida dos brasileiros em São Paulo com honestidade, seriedade, trabalho e dedicação. Posso afirmar a vocês com muito orgulho, nós não temos um time de secretários, temos uma seleção de secretários de fazer o orgulho aos brasileiros de São Paulo. Agradeço também mais uma vez a você, Rodrigo Garcia, pelo apoio, pelo trabalho e pela dedicação e a você, Luciana, também pela paciência porque se já está difícil assim, imagina a partir de hoje. O trabalho vai aumentar ainda mais. Aliás peço a compreensão das esposas dos secretários, dos maridos das secretárias que aqui estão, porque o trabalho será muito intenso, talvez como nunca visto aqui nesse palácio, portanto, saibam perdoar e compreender as horas extras de trabalho, incluindo sábados, domingos e muitas vezes alguns feriados.

Sou grato também e quero registrar aqui aos militantes do meu partido o PSDB e os dirigentes dos partidos da coligação que nos elegeu aqui em São Paulo. Muito obrigado a todos vocês que representam a militância dos partidos da coligação Acelera São Paulo, em especial do meu partido o PSDB.

Quero também fazer um agradecimento especial a todos os cidadãos do nosso estado. É para eles que vamos governar para os que votaram em nós e para os que não votaram. Serei o governador de todos, de todos os brasileiros de São Paulo. E serei um governador municipalista, decentralizador para atender do menor ao maior município, igualdade de condições.

Não farei governo partidário, muito menos ideológico, uma das principais razões de eu ter vindo para a política foi exatamente para combater isso e, por isso, jamais praticarei ideologias, partidarismo à frente do Governo de São Paulo. O Governo de São Paulo a partir de agora é o governo de todos, para todos especialmente os mais humildes, os mais pobres e os mais carentes do nosso estado.

O povo de São Paulo, Rodrigo, mostrou na eleição que deseja um novo caminho, uma nova política, uma nova economia, uma nova sociedade. A nova política se chama, Manoel Calças, transparência, bons propósitos, integridade, criatividade, honestidade. A nova economia precisa ser inovadora, digital, moderna e integrada ao mundo. Vamos trabalhar redobradamente para o desenvolvimento econômico de São Paulo, mais tecnologia e inovação em todas as áreas de atuação do Governo de São Paulo, no agronegócio, na indústria, no comércio, no setor de serviços, no empreendedorismo, na saúde, na educação, em todos os setores. O mundo é da tecnologia e os governos precisam estar sintonizados e perceberem que a tecnologia ajuda o governo a ser melhor, mais eficiente e sobretudo mais transparente, Célia.

Na economia chamei o Meirelles para controlar as finanças e mantê-las no azul e implantar propostas para garantir um novo ciclo de crescimento para São Paulo, vamos zelar, Meirelles, pelo dinheiro público e fazer São Paulo crescer. Se São Paulo crescer o Brasil cresce também, esta será a nossa maior contribuição para o novo governo que será empossado hoje à tarde, em Brasília, o exemplo de São Paulo, o crescimento de São Paulo, a geração de empregos para os brasileiros que vivem em São Paulo.

Vamos retomar a expansão da infraestrutura com os trens intercidades, a melhoria nas hidrovias, no transporte metropolitano, na pavimentação de estradas vicinais e projetos de novas rodovias. Vamos sim, incentivar as startups, a economia criativa, o turismo, o artesanato, a gastronomia, a cultura, a música, o esporte e o trabalho artístico. A nova sociedade, Cauê, quer serviços de qualidade, temos o dever, a obrigação de colocar no governo o padrão Poupatempo, simplificação e inovação dos serviços, rapidez e eficiência nas iniciativas, soluções fáceis e digitais no atendimento ao cidadão. O Poupatempo é um programa que foi lançado aqui por Mário Covas anos atrás, evoluiu, cresceu, se tornou uma referência nacional e é realizado por servidores públicos e é um serviço público e o serviço de qualidade. A partir de amanhã todos os nossos secretários e secretários, dirigentes de estatais sabem que nós deveremos implantar o padrão Poupatempo em todos os serviços que realizaremos para a população de São Paulo. Se o Poupatempo faz, nós também podemos fazer.

Nosso Governo deve oferecer caminhos para que os serviços públicos sejam simplificados com o uso do computador, da internet e do celular. Vamos aposentar a velha política, quero registrar mais uma vez, vamos aposentar a velha política, a política do cabide de empregos, trocas de favores. Vamos fazer uma nova gestão sem isso com técnicos, representantes do setor privado e políticos competentes. Os que forem eficientes e corretos serão cumprimentados, estarão cumprindo a sua obrigação, o seu dever. Os que não forem serão trocados e falo isso à frente dos secretários e secretárias empossados hoje aqui. Esse é o nosso compromisso, fazer um governo eficiente. Um governo diferente, um governo do trabalho e não da política. Nós não vamos servir a política, vamos servir ao povo de São Paulo. Vou doar todos os meus salários às instituições humanitárias como fiz ao longo de quinze meses na prefeitura de São Paulo, o primeiro aliás, já ao final deste mês de janeiro vai para a AACD, Associação de Assistência à Criança com Deficiência, Mara. O próximo de fevereiro vai ser destinada ao Graacc, Grupo de Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer, e assim sucessivamente incluindo entidades do interior, do litoral, da grande São Paulo e da capital que vão receber igualmente as doações seguintes do salário do governador. Serão cinquenta e duas doações de salários em quatro anos totalizando mais de um milhão e quatrocentos mil reais. Eu posso fazer isso, eu vou fazer isso.

Continuarei residindo na mesma casa onde moro com a Bia e os meus filhos há catorze anos. O Palácio dos Bandeirantes a partir de agora será o Palácio do Trabalho e os que aqui vierem venham com propostas de trabalho, com propostas honestas, decentes, inovadoras. Não vamos aqui fazer a romaria para cafezinho, água, chá ou cadeira. Aqui será um ambiente do trabalho. Tenho dito e repetido aos secretários, não quero romaria de prefeitos e prefeitas, quero soluções para prefeituras e para o povo que vive no interior, na região metropolitana, no litoral e na capital de São Paulo. Portanto, não esperem aquilo que já foi feito aqui no Palácio, não quero fulanizar, nem acusar ninguém, mas a partir de agora vai mudar. Portanto, todos que aqui vierem saibam que transparência, eficiência, Cauê, inovação e trabalho representam os motes deste governo. Nada de falatório, nada de perder tempo, vamos agilizar, acelerar os nossos próprios processos. O povo de São Paulo tem pressa, o Brasil também.

O Estado de São Paulo estará focado no que é a sua real responsabilidade, nós não vamos gastar dinheiro público em áreas que podem produzir melhores resultados quando geridos pela iniciativa privada, vamos desenvolver, sim, um amplo programa, Meirelles, de desestatização, Rodrigo Garcia, criando parcerias público privadas, fazendo concessões e privatizações direcionadas para a melhoria do atendimento à população sobretudo a mais carente. E quero repetir o que disse há pouco na Assembleia Legislativa, Cauê, não tenho medo de cara feia, vamos privatizar, vamos desestatizar tudo aquilo que for possível, tudo aquilo que for legal e bom para a população. O setor privado passará ter um papel que nunca teve aqui no Governo do Estado de São Paulo e com isso vamos liberar o governo para cumprir a sua obrigação de atender os mais pobres e os mais humildes, sobretudo na saúde, na educação, na segurança pública, na geração de emprego, na criação de habitações populares, e na assistência social. Vamos sim, Rossieli, você que a partir de hoje deixa de ser ministro e passa a ser secretário de Educação, retomar a qualidade do ensino básico da educação de forma geral no nosso estado, incluindo o ensino técnico e vamos tratar a educação como prioridade, assim como, José Henrique Germann, na saúde, e General Campos, na segurança pública, prioridades do nosso governo, saúde, educação e segurança pública. Esperem, aguardem e verão como estabelecer prioridades claras, orientar de forma precisa os secretários, fazer reuniões objetivas, construtivas, com metas, com planos, com prazos para serem cumpridos, como a coisa pode mudar e vai mudar. Quero dizer que nestas áreas sobretudo de saúde, educação e segurança pública, vou exigir dos nossos secretários que São Paulo seja um exemplo para o Brasil.

Registro aqui mais uma vez a honra de ter montado um time, uma seleção de talentos e eu não perguntei a nenhum deles qual partido você representa, se votou ou não votou em mim, se mora ou não mora em São Paulo. Fui buscar os melhores, as melhores cabeças, os melhores talentos, os melhores currículos para cumprirem as suas funções, nenhum aqui deles, ouviu a pergunta, o senhor continuará votou em mim, votou na nossa coligação. Não, isso não importa. A eleição acabou, agora é governar, é fazer boa gestão sem partidarismo, sem ideologia, trabalhar para o povo sobretudo os mais mais humildes, mais simples do nosso estado.

Quero aqui sim lembrar Mário Covas que eu tive o prazer de servir como secretário, quando ele foi prefeito de São Paulo, eu tinha apenas vinte e um anos de idade. Mário Covas disse, ao ser empossado na Assembleia Legislativa como governador, de São Paulo jamais virará as suas costas para o Brasil. Quero reafirmar o Governo de São Paulo não vai virará as costas para o Brasil. O Governo de São Paulo vai governar com o Brasil e para os brasileiros de São Paulo. E o meu partido, o PSDB, também não vai virar as costas para os brasileiros. Os partidos como os governos precisam de novas posições, novos compromissos, novos projetos, e terem coragem de mudar, coragem de transformar, coragem de sintonizarem-se com o mundo de hoje, nada de apego ao passado, o passado é para ser respeitado, mas hoje o que vale é o presente e principalmente a visão do presente, Mara Gabrilli, para garantir um futuro melhor para os cidadãos e o PSDB, o meu partido será um exemplo disso, porque vai mudar e vai mudar para sintonizar a realidade da população do estado de São Paulo, e se souber fazer isso em São Paulo, saberá fazer também no Brasil.

Vamos sim apoiar iniciativas do presidente Jair Bolsonaro, para que não paire dúvidas sobre isso, sobretudo aquelas que resultem no progresso do país, na geração de empregos e na riqueza para o Brasil e os brasileiros. Eu nunca torci pelo pior para ninguém quanto mais para o governo, vamos todos torcer pelo melhor, se Jair Bolsonaro foram grande presidente será bom para o Brasil e bom para os brasileiros, esta visão que devem ter as pessoas de bem as pessoas de boa índole, não torcer pelo melhor, se Jair Bolsonaro for um grande presidente, será bom para o Brasil e bom para os brasileiros. Esta é a visão que devem ter as pessoas de bem. As pessoas de boa índole, não torcer pelo pior, não ficar em cima do muro para ver o que vai acontecer, ajude, dê a sua contribuição, dê a sua colaboração, ajude o seu país sendo positivo e acreditando no seu povo e no seu governo. Vamos sim, apoiar a reforma da previdência, o pacto federativo, a reforma fiscal. São Paulo vai trabalhar junto com o novo presidente da República na atração de investimentos internacionais para o Brasil, oferecendo segurança jurídica, transparência e ambiente seguro para a instalação de novas fábricas, centros de comércio, tecnologia e serviços.

Quero reafirmar aqui, o melhor programa social para o Brasil é o emprego. Não é e nunca será o assistencialismo, o assistencialismo gera dependência e o que nós desejamos para o povo brasileiro e o povo de São Paulo é independência, e o que traz independência é o emprego, a estabilidade do emprego, é a cidadania do emprego, o cidadão decide o que quer, em quem vai votar e naquilo que ele pode oferecer de melhor à sua família. Vamos sim oferecer assistência social e dar as mãos aos mais pobres, aos humildes, aqueles que estão nas ruas, aos que são vítimas das drogas. Mas isso não significa ser assistencialista, isso significa dar assistência social e o maior programa social para o Brasil será sim o crescimento econômico, Meirelles, para a geração de empregos, e o emprego traz dignidade e é através do emprego que também vamos melhorar a educação, a saúde e o desenvolvimento social do nosso país. O Brasil precisa reencontrar o desenvolvimento, a geração do trabalho, a redução da pobreza e o resgate da esperança.

Tenho fé em Deus sempre presente nas minhas orações e acredito que dirigentes públicos com equilíbrio, bom senso, honestidade e determinação podem fazer o mundo melhor e mais justo, podem fazer o Estado de São Paulo ser melhor e mais justo, pode fazer o Brasil ser melhor e mais justo.

Vou trabalhar cada minuto do meu dia pelos brasileiros de São Paulo e quero dizer a vocês todos aqui com toda a força, vai dar certo, vai dar certo. Nós temos que ter força, otimismo, e energia positiva para acreditar que vai dar certo. Acelera São Paulo. Obrigado.