Alckmin discursa no anúncio do Programa Educação com Saúde

Governador Geraldo Alckmin: Bom dia a todas e a todos, estimado secretário do Estado da Educação, o Professor Herman Voorwald; o secretário de Estado de Gestão Pública, o deputado federal Júlio Semeghini; deputada Estadual Maria Lúcia Amary, Mauro Bragato e o Carlos Pignatari que toma posse, agora, dia 15 de março; secretário de Estado-adjunto da […]

ter, 15/02/2011 - 19h46 | Do Portal do Governo

Governador Geraldo Alckmin: Bom dia a todas e a todos, estimado secretário do Estado da Educação, o Professor Herman Voorwald; o secretário de Estado de Gestão Pública, o deputado federal Júlio Semeghini; deputada Estadual Maria Lúcia Amary, Mauro Bragato e o Carlos Pignatari que toma posse, agora, dia 15 de março; secretário de Estado-adjunto da Secretaria da Pessoa com Deficiência, o Marco Antônio Pellegrini; o nosso querido secretário-adjunto, aqui da educação o professor Paiva; Fernando Padula, que fez uma belíssima exposição sobre o programa da educação e da saúde. A irmã Rosane Hirschke, a nossa parceira, presidente do Hospital Santa Marcelina; o Hubert Alquéres, presidente do Conselho Estadual de Educação; professor José Bernardo Ortiz, presidente da FDE; Dr. Latif Abrão Junior, superintendente do Iamspe, nosso parceiro também nesse trabalho. Prefeitas: de Ribeirão Grande, a Eliane Santos; de Bastos, a Virginia; de Miracatu, a Déa; de Sete Barras, a Nilce; de Monte Alto, a Silvia; Pacaembu, a Siomara… tomaram conta, não é? Abraçando aqui as prefeitas, nós queremos cumprimentar todos os prefeitos aqui presentes; vice-prefeitos; vereadores; diretores; diretoras; professores; funcionários; amigas e amigos uma palavra breve.

Mas é da alegria, Herman, que hoje temos dois atos e ambos importantes: o primeiro com os prefeitos, o nosso convênio. E olha que deu certo! Porque do ano passado para esse ano, aumentaram 20% o número de convênio e 43% o número de alunos beneficiados nesses convênios. Através do primeiro ciclo do Ler e Escrever e, no segundo ciclo, no ensino médio, São Paulo Faz Escola. Então, é uma alegria ter a parceria aqui das prefeitas, prefeitos, para a gente levar esse material pedagógico: apostilas, livros; todo esse trabalho para melhorar a qualidade das nossas escolas municipais aqui no Estado de São Paulo. Depois, uma alegria estarmos juntos para o lançamento de outro grande programa, que é São Paulo Educação com Saúde, e fazendo com dois parceiros, como Iamspe e o Santa Marcelina, para oferecer educação com saúde para os nossos professores e funcionários, e começamos aqui pela capital. São 13 diretorias. Então, nas 13 diretorias de ensino nós vamos ter o trabalho de educação para a saúde.

A maioria das nossas doenças a gente contrai por maus hábitos, então bons hábitos podem fazer muito mais pela nossa saúde do que os hospitais ou os medicamentos, os bons hábitos para a saúde. Nós estamos vendo um espetacular aumento de expectativa de vida, no mundo e no Brasil. O Brasil, que era um país jovem, hoje é um país maduro e vai ser um país idoso – o que é ótimo, nós vamos viver 100 anos. As mulheres não morrerão mais. E esse trabalho vai ser muito bonito porque nós podemos fazer prevenção e diagnóstico precoce. Do que é que se morre? Qual é o… no mundo moderno, a morbimortalidade? Coração, de grandes vasos; câncer e acidentes – causas externas. Jovem não morre de doença, jovem morre de acidente. Sexta à noite; sábado à noite; nas grandes cidades brasileiras, desastre de automóvel, motocicleta, droga, tiro, violência. E os idosos morrem do coração ou de câncer. Coração é possível prevenir através de hábitos saudáveis. E câncer também. Prevenção e diagnóstico precoce.

Mas eu queria, antes de encerrar, trazer uma palavra para vocês do seguinte: a medicina chinesa, que tem quatro mil anos, milenar, ela diz que o envelhecimento é normal, todos nós envelhecemos, e que doença é desequilíbrio. Por que é que um tem câncer e o outro não tem? Por que é que um enfarta e o outro não enfarta? Por que é que um pega hepatite e o outro não pega? Por que é que um pega gripe e outro não pega? Meningite e o outro não pega? Doença é desequilíbrio. Nós temos uma glândula no cérebro chamada hipófise. Essa glândula controla todo o organismo. Ela controla a tireóide, as paratireóides, o timo, supra-renais, ovários, testículos, ela controla todo o organismo. E ela está ligada ao hipotálamo, as chamadas estruturas límbicas do cérebro ou o chamado cérebro emocional. Tanto é que antigamente se dava muito valor ao QI. Fulano é gênio, QI 160. Sua capacidade de resolver problema: cérebro cortical, cognitivo, inteligência. Capacidade de resolver problema. Aí vieram os psicólogos, os médicos, disseram: “Olha, tem algo muito mais importante, que se chama inteligência emocional”. Estruturas límbicas, abaixo do córtex que controlam o organismo através do sistema endócrino, através da hipófise.

O que é que a gente verifica hoje no mundo moderno? O grande problema de saúde pública do mundo moderno é: stress, ansiedade e depressão. Stress, a capacidade de suportar os problemas do cotidiano. Tem o stress bom. Estou dirigindo, entra uma criança na frente, freio na hora. Estou andando, vem um cachorro, um pit bull, eu corro ou brigo com ou cachorro. O que é o stress? É a ruptura do equilíbrio. A pessoa está em equilíbrio, em homeostase, tem uma agressão física, uma martelada no dedo. Psíquica, atendeu o telefone e teve uma péssima notícia. Infecciosa, pegou uma amigdalite estreptocócica, está com 40º de febre. Agressão, toda agressão leva ao desequilíbrio. Isso é o conceito de stress. Se a pessoa viver em stress, mão gelada, soando, tensa, palpitação, ela vai acabar com a sua saúde. Então o stress de exaustão leva à insônia, enfarte, queda de imunidade, todos os problemas, dor nas costas, contratura, enxaqueca. Então, stress. Ansiedade. E o futuro? E o que vem pela frente? O que me espera? E o amanhã? E depressão, ou seja, quase que uma desistência. Tanto é que os medicamentos mais utilizados no mundo hoje, Estados Unidos só falta por na água da SABESP lá, é antidepressivo.

Então um grande psiquiatra francês, hoje professor de universidade nos Estados Unidos, escreveu um livro chamado “Curar – Stress, ansiedade e depressão”, sem psicanálise nem medicação. Como é que você enfrenta stress, ansiedade e depressão? Como você enfrenta? São sete itens que eu deixo para a reflexão de vocês. Tudo o que a gente pode fazer e para o grupo de trabalho aqui da Educação com Saúde. Primeiro, aurora matinal. Relógio biológico. Nós estamos aqui no escurinho. O nosso dia inteiro é em local fechado. E essa luz faz um mal danado, a luz artificial. É preciso acordar cedo, escancarar a janela, cortina. Nós precisamos dos raios solares da manhã na retina e o seu efeito no cérebro emocional. O cérebro precisa da luz solar, dos raios de sol da manhã. Acordar cedo, o mais cedo possível, escancarar a janela, cortina, se puder até andar. Mas a importância da aurora matinal. É só olhar nos países nórdicos o que têm de suicídio. Invernos muito longos, noites muito longas. O cérebro emocional precisa dos raios do sol da manhã. Aurora matinal. Dois: Respiração. Se for analisar, a gente respira só com o ápice do pulmão, curtinho. É preciso fazer ginástica respiratória, encher o peito de ar e soltar. Minha mãe tinha asma, meu pai nos fazia, os três filhos, a caminhar cedinho na grama descalços, fazendo ginástica respiratória, aprender a respirar. Terceiro: Meditação. O cérebro tem uma capacidade de suporte, você vai preocupação, preocupação, preocupação… Fica com uma enorme de uma irritação cortical. É preciso baixar a irritação cortical, descansar o cérebro. A pessoa começa a perder memória, ficar irritada, não ter paciência, dificuldade de concentração, tudo por falta de meditação precisa descansar o cérebro. Pode ensinar, através das equipes, como fazer meditação, sentado no ônibus, sentado em qualquer lugar, na cama, onde estiver, cruzar o braço, repetir o mantra: pai nosso, pai nosso, pai nosso, em nome do filho, conte até cinco, um, dois, três, não tem importância que distraia. A lógica é limpar o cérebro, limpar o cérebro e reduzir irritação cortical, aprender a meditar. Por que é que tem pessoas que dormem quatro horas por noite nunca estão cansadas? Porque aprenderam a diminuir irritação cortical.

Então você chega num ponto que você não consegue mais ter saúde. Aliás, a gente pode ficar vários dias sem comer, um mês; ninguém fica três dias sem dormir. É preciso repousar o cérebro. Alimentação. Nós somos o resultado daquilo que a gente se alimenta. As nossas células trocam a cada 120 dias, troca tudo, quando for lá pra junho, nós somos outra pessoa, cabelo trocou, unha, pele, sangue, ossos, mucosa, trocou tudo só não trocaram os neurônios. Como é que troca? Fruto de três energias; uma energia ancestral, do papai e da mamãe, através do DNA; uma energia da respiração, aquilo que a gente respira; e do alimento. A questão da alimentação, ela é fundamental e nós temos o quê? Nós adultos, uma alimentação hiperprotéica, é carne, carne, carne… Adulto não precisa disso. Então, nós temos excesso de proteína, quem precisa de proteína é criança, é um excesso de alimento protéico. E baixa alimentação com fibra, que é verdura e fruta, o prato precisa ser colorido: verde, vermelho, beterraba, cenoura, alface, colorido, colorido… Que é fibra, vitaminas e mesmo menos proteínas, ou seja, uma correção de natureza alimentar.

Ginástica. A saúde começa pelo pé. Quem não faz ginástica não tem saúde, nem física nem mental. Como é que o impulso nervoso passa de uma célula para outra se ele não encosta uma célula na outra, tem um espaço chamado de sinapse. Eu digo: dá a mão para alguém, dá um tiro em alguém, dá um beijo em alguém. A ordem sai do cérebro e vai lá na ponta. Como é que chega lá? Porque passa de um neurônio para outro. Como é que passa se não encosta, está longe? Mediadores químicos, isso é substância química, os chamados neurotransmissores: dopamina, serotonina, histamina. Os mediadores químicos. O que é uma pessoa em depressão? Ela não tem mediador químico. No cérebro dela está faltando mediador químico para o impulso nervoso passar. Ela pega de volta esses mediadores químicos, ela recapta, pega de volta. O que fazem as drogas modernas, as sertralinas, os olófites, os antidepressivos? Eles encharcam a sinapse de mediador químico, o sujeito levante em um dia, dois dias. Nós podemos fazer isso naturalmente. Ginástica. Por isso se fala: o barato do corredor. O que é o barato do corredor? É a produção de neuropeptídeos de cadeia longa, de neurotransmissores através da ginástica.

Aliás, a experiência científica, quem faz exercício e quem não faz. Pega um grande drama. Morreu alguém, uma grande perda, uma separação. Quem não faz ginástica, deprime; quem faz ginástica consegue sair mais rápido. Então, mexer o corpo. Saúde começa pelo pé. Alongamento, fazer uma apostilinha e monitores: alonga, alonga, alonga. Por que as pessoas diminuem de estatura com o tempo? Porque vai… Alonga, vai crescer dois centímetros cada um, fazendo alongamento, ginástica. Qual é o maior órgão do corpo humano? É a pele. Acupuntura, montar equipe de acupuntura, vamos fazer experiência de acupuntura para saúde. Nós só mexemos com doença. Se a gente preservar a saúde das pessoas, ninguém vai ficar doente. Vai envelhecer, que é normal, saúde é desequilíbrio. Por que a pessoa de noite, ainda mais com esse calor, às vezes acorda pingando? Acontece isso? O sujeito dorme à noite, está suando no pescoço, roupa, travesseiro, pingando. Excesso de yang. Desequilíbrio entre yin e yang. Baixa de yin. Aliás, a partir de 49 anos, sete ciclos de sete anos, a energia yin do rim despenca. É preciso levantar essa energia para equilibrar yin e yang e a pessoa para de suar, óbvio. Então, está com baixa de energia de yin. Precisa acupuntura para corrigir, tirar excesso de yang. Está com excesso de yang e baixa de yin. Acupuntura. Então, fazendo acupuntura nós vamos dar uma melhorada.

Penúltima, amor. O amor é uma necessidade biológica. A criança quando chora, ela quer colo. Ela entrou em contato com a pele, ela para de chorar. O amor é uma necessidade biológica. O amor dos filhos, dos pais pelos filhos, marido e mulher, namorado, amigos, pessoas caras. Estados Unidos mostra experiências do Professor Schreber: pessoa que tem hipertensão arterial, quem tem um cachorro e quem não tem. Aquele que tem o cachorro, menos remédio. Então, é preciso amor.

Finalmente, a grande conexão. Quem não acredita em nada, não tem religião, qualquer que ela seja, e religião é religar. A velhice é muito triste. Imagine a pessoa com 70 anos, ela vai viver o quê? 75, 77… Vai viver mais sete anos, oito anos. Só vai piorar, coração vai enfraquecer, a pressão vai subir, só vai piorar. Eu tenho um professor da faculdade de medicina que dizia que a gente devia nascer com 90 anos e ir voltando. Cada ano você ficava mais jovem, ficava melhor. Mas não é assim na vida. Então, se a pessoa não tem valores da existência humana, ela é muito dura. Minha avó, eu me lembro, na cadeira de balanço dizendo como a velhice é cruel. É cruel. O processo de envelhecimento que ninguém escapa. Então a grande conexão, quem crê consegue ter mais saúde, porque tem saúde mental. O meu pai dizia que religião não é emoção, vida espiritual precisa ser cultivada, ter um tempinho para vida espiritual. Então, aurora matinal, acordar cedo e os raios do sol da manhã, ginástica respiratória, meditação, alimentação, prato colorido, ômega 3, espinafre, agrião, ginástica, mexer o corpo. Setenta por cento do corpo humano é água, água parada estraga. Mexer o corpo. Acupuntura, que a irmã vai colocar equipes de acupuntura com supervisão médica. Vocês vão ver que espetáculo que são essas agulhas milenares. Amor e religar.

Saúde para todos!