Alckmin discursa em entrega do Poupatempo de Araçatuba

Geraldo Alckmin: Bom dia a todas e a todos. Prefeito de Araçatuba, nosso prefeito anfitrião, Cido Sério; Cidinha Lacerda, secretária municipal de Assistência Social de Araçatuba; quero saudar aqui o deputado Vinícius Camarinha, chega para frente aqui, Vinícius. Agora pode ter deputado menor de idade, viu? Apresentar aqui o Vinícius Camarinha; deputado Dilador Borges, que, […]

dom, 20/02/2011 - 16h12 | Do Portal do Governo

Geraldo Alckmin: Bom dia a todas e a todos. Prefeito de Araçatuba, nosso prefeito anfitrião, Cido Sério; Cidinha Lacerda, secretária municipal de Assistência Social de Araçatuba; quero saudar aqui o deputado Vinícius Camarinha, chega para frente aqui, Vinícius. Agora pode ter deputado menor de idade, viu? Apresentar aqui o Vinícius Camarinha; deputado Dilador Borges, que, se Deus quiser, dia 16 está assumindo lá a Assembleia Legislativa de São Paulo como deputado da região; o nosso sempre deputado Jorge Maluly Netto, uma alegria rever o doutor Jorge, se levante, doutor Jorge; à Terezinha, sua esposa, trago um abraço da Lu; nosso sempre deputado federal Jorginho Maluly, está aqui presente conosco; secretário-chefe da Casa Civil, cadê o Beraldo? Beraldo que é o responsável, que iniciou todas essas ampliações do Poupatempo, então parabéns aí, Beraldo, por essa grande obra. Deputado federal Júlio Semeghini, passa aqui, Júlio, secretário de Gestão Pública. Se tiver reclamação é com ele, viu? Deputado federal Edson Aparecido, secretário do Desenvolvimento Metropolitano; o vereador Edval Antônio dos Santos, cadê o Edval? Cumprimentando todos os vereadores aqui de Araçatuba; nosso sempre vereador, o Dunga, agradecer muito o título de Cidadão Araçatubense. Mais difícil é da minha cidade natal, que é Pindamonhangabense. Padre Silvio; prefeitos: de Birigui, o Wilson Borini; Andradina, o Jamil Ono; de Braúna, o Heitor; de Buritama, o Izair; Guararapes, o Edenilson; Lavínia, o Rodolfo; Valparaíso, o Marcos; Bilac, o José Rebelato; Coroados, o Nelson; Santópolis do Aguapeí, Haroldo Pio.

Eu faço às vezes um torneio dos nomes mais bonitos. Um nome bonito, por exemplo, Vila Boa de Goiás, a antiga capital de Goiás, de Cegonha, esse aqui vai entrar no torneio: Santópolis do Aguapeí, depois de Araçatuba, né? Nova Independência, José Toniello; Piacatú, Nelson Bonfim; Suzanápolis, o Antônio Vidotti; Ilha Solteira, doutor Edson Gomes, nosso grande cardiologista; tenente-coronel do 2º Batalhão de Polícia Ambiental, comandante Cunha; major Wilson Carlos Braz, comandante aqui do 2º Batalhão; doutor Celso Reis Bento, delegado de Polícia; a administradora aqui do Poupatempo, a Solange Pancelli, cadê a Solange? Vem aqui, Solange. Ela que comanda aqui. Quantas pessoas vão trabalhar aqui? Mais de 80. Quantas mulheres? 99%, então o sucesso vai ser total, né? O presidente da OAB, doutor Alceu Batista de Almeida Júnior; secretários municipais, amigas e amigos. Uma palavra brevíssima.

Mas dizer da alegria de estarmos juntos, Poupatempo é sempre alegre, eu acho que ele retrata bem o que todos nós queremos do serviço público, que ele tenha qualidade, que ele tenha eficiência, que as pessoas sejam bem atendidas. Eu tenho um professor de inglês lá em São Paulo, Paulo Meyer, ele é muito engraçado, ele tem uma banda de rock dos anos 70, figura, o Paulo Meyer, e ele foi atendido no Poupatempo da Cidade Ademar. Ele falou: “Ó, eu fiquei impressionado e fiquei impressionado com a educação dos funcionários, com uma presteza, com lhaneza, com a gentileza”, então realmente o Poupatempo é uma marca de qualidade. Então, é um grande ganho para Araçatuba e para a região. Um prédio aqui muito bem instalado, muito bem localizado, aqui foram investidos R$ 9,7 milhões. Sete milhões na adequação do prédio, R$ 2,7 milhões em equipar aqui todo o Poupatempo, e temos um contrato de 60 meses, de cinco anos, uma parceria público-privada, onde o Governo, o mais caro sempre não é construir, o mais caro sempre é custeio, mas trazendo o serviço público, consolidando Araçatuba um importante pólo regional e beneficiando toda aqui a região.

Nós, antes de… Eu queria cumprimentar aqui os funcionários, desejar que façam aqui um bom trabalho, abraçar todos vocês, depois vamos tomar um café juntos aí. Estivemos na Santa Casa antes de vir para cá, fiquei muito feliz. Estivemos lá com o provedor, o Jaime, o Jair, um dos colegas, pedi para reservar uma vaguinha de anestesista para o futuro… Um dia desses eu fui, Dilador, à Bauru, e tinha lá o ex-prefeito de Pederneiras, doutor Rubens Cury, que é colega do prefeito de Ilha Solteira, cardiologista. O deputado Pedro Tobias, que é cirurgião, e eu que sou anestesista, eu falei: “Olha, nós podemos montar uma clínica, só falta um doente corajoso”. Mas nós estivemos lá na Santa Casa, vocês estão de parabéns. Aliás, nós ajudamos no outro Governo a fazer uma torre nova, são 100 leitos, 114 leitos a mais que foram feitos. E agradeço muito à honra do título aqui de Cidadão Araçatubense. Hoje são 440 leitos, é um dos grandes hospitais do Estado de São Paulo, poucos hospitais, a não ser da capital, que tem mais que 400 leitos. Mas o mais importante, hospital para gente rica não falta, sobra vaga para quem tem dinheiro, nós precisamos atender o SUS, de graça, saúde é direito das pessoas, ninguém precisa pagar para nascer, pagar para morrer, pagar para ser atendido, isso não tem sentido. Então, é um direito da cidadania, 87% da Santa Casa é SUS, 87%, e o problema sempre é custeio. A Beneficência Portuguesa em São Paulo se mantinha equilibrada porque 60% do SUS, 40% convênio. Então, os 40% de convênio cobre o prejuízo dos 60% do SUS, 87% não tem jeito, então nós vamos ajudar com o custeio da nossa Santa Casa, e vamos também investir na área cirúrgica, tem um ótimo AME aqui em Araçatuba, tem um AME em Andradina e vamos ter mais um AME em Promissão, e aí a retaguarda desses AMEs na área cirúrgica e clínica, a Santa Casa. Então nós vamos dar um grande apoio aí para a parte cirúrgica da Santa Casa, ajudando a saúde.

Na segurança, nós vamos ter até o final do ano quatro mil policiais militares a mais e grande parte vem para o interior. Polícia na rua, presente na rua para evitar o crime, para prevenir, para poder ajudar. Aliás, tem coisas que a gente não destaca muito, mas é importante: o número de homicídios por 100 mil habitantes, o Brasil é 25, Rio de Janeiro 29, São Paulo 10,4 – número de homicídios. Nós somos hoje o 25º Estado brasileiro proporcionalmente em número de homicídio, e olha que nós temos uma população maior que a Argentina, 42,5 milhões de pessoas. Então, nós vamos ter mais efetivo da Polícia na região e o Helicóptero. Aliás, agora em março vence um hangar do DAESP, vou pedir para não alugar e passar para a Polícia Militar para sediar aqui o Helicóptero Águia da Polícia Militar. Queria trazer também uma palavra sobre a educação. Ontem nós inauguramos uma ETEC, uma ampliação grande de uma ETEC lá em Paraguaçu Paulista, e aqui na região nós vamos ampliar as ETECs, FATEC já tem aqui em Araçatuba, podendo vamos fazer mais, e vamos trazer um programa novo, chamado Via Rápida para o Emprego, porque o desemprego está ligado à baixa escolaridade. Infelizmente ele está muito ligado à baixa escolaridade.

Então, para entrar na ETEC precisa fazer Vestibulinho, precisa ter ensino médio. Então, às vezes a pessoa não tem ensino médio, não consegue passar no vestibular, então o Via Rápida é curso de 80 horas, 100 horas, 120 horas, 200 horas, curso rápido e junto a gente oferece o EJA. Você que não tirou o diploma do ensino fundamental, volte para fazer o EJA, faz à noite, sábado, tirar o diploma, Escola de Jovens e Adultos, antigo supletivo. Você que não tirou o diploma do ensino médio, volta para fazer o EJA, vai ter o diploma do ensino médio. Então, investir muito na formação profissional. E recebi aqui de uma mãe um bilhete, Nair, né? Noir, um bilhete aqui muito carinhoso. Olha que alegria: “Minha filha Giovana estudou três anos do ensino médio na ETEC e fez técnico de informática”. Ela fez as duas coisas, dá para fazer simultaneamente. É, fez em um período ensino médio, no outro o técnico. A maioria das nossas ETECs vão ser todas integradas, aluno de tempo integral, ele faz em um período ensino médio, no outro o técnico, sai com os dois diplomas. Escola pública, só estudou em escola pública. “Passou na Universidade Federal, foi selecionada entre mais de oito mil alunos, uma das melhores. Entrou em Universidade Federal e ganhou 30 dias de inglês nos Estados Unidos”. Parabéns aí pela filha.

Queria também dizer que da Santa Casa visitamos lá á Casamata, uma boa parceria Governo Federal/Governo Estadual/Governo Municipal/Santa Casa, aqui já tem quimioterapia, vai ter radioterapia, braquiterapia. Nós vamos, além de fazer tudo que precisa ser feito de saúde pública, fazer dois esforços grandes aí, Cido: Um, tratamento de dependentes químicos – álcool e droga. Esse é um problema do nosso tempo, dependência química, que é doença. Pessoa que tem dependência química, seja alcoolismo, seja droga, é doença. Às vezes a gente tem um preconceito em relação à saúde mental, mas a pessoa que é doente mental é como tem apendicite, pneumonia, e não é fácil tratar, às vezes são internações longas, então nós vamos investir muito forte, dando a mão para quem precisa, ajudando a tratar os dependentes químicos. E muito duro com o tráfico de droga. De outro lado, câncer, o Brasil era um país jovem, hoje o Brasil é um país maduro, e o Brasil vai ser um país idoso, isso é um fenômeno mundial. Expectativa de vida no Brasil era 43 anos de idade em 1940. Hoje é 74, quem passa dos 30 é 80, porque sai da vulnerabilidade juvenil, morre muito jovem em fim de semana, não por doença, mas de causa externa. Nós vamos chegar a 100 anos. O câncer, as neoplasias, são diretamente ligada à idade, quanto maior a idade maior a incidência, e são doenças curáveis, curáveis, desde que diagnosticadas rapidamente e tratada rapidamente. Então, vai aumentar, mas é curável, então nós vamos fortalecer muito, aliás, temos no ICESP, que é o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo, uma referência internacional, e fui buscar para o secretário da Saúde o diretor da Faculdade de Medicina da USP, que era o diretor do ICESP no tempo do Serra, professor Giovanni Cerri. Então, nós vamos ter uma grande parceria aqui na prevenção, diagnóstico precoce e tratamento de todas as neoplasias.

E queria também trazer uma palavra sobre essa questão da infraestrutura aqui da região. Nós vamos ter um 4º Programa de Vicinais, aqui já foram feitos acho que mais de 60 km de recuperação de vicinais aqui em Araçatuba, e nós vamos ter um 4º Programa de recuperação de estradas vicinais aqui na região. A Eliezer, nós vamos continuar a duplicação, Dilador, Cido, da Eliezer e Araçatuba vai ser muito beneficiada, porque ela tem aqui todos os modais, tem o modal rodoviário, Marechal Rondon e outras rodovias, tem o modal aeroviário, aeroporto, tem gasoduto aqui na região, tem ferrovia e hidrovia, e nós estamos encaminhando ao Banco Mundial um pedido de financiamento para estrada, para ferrovia e para hidrovia. Alargamento das pontes, para as barcaças não baterem nos pilares e enrocamento – o aprofundamento em determinados pontos – senão a barcaça tem dificuldade de navegação, para poder ter um grande incremento hidroviário no Estado de São Paulo. Com isso, a gente tirando combustível fóssil, caminhão da estrada, nós vamos atingir aquela meta de mudanças climáticas, que nós temos que reduzir a emissão de carbono na atmosfera; e grande parte dessa emissão é escapamento de caminhão e ônibus, é diesel, é combustível fóssil, através da hidrovia, e vai atrair investimento pela boa infraestrutura.

Mas quero dizer ao prefeito Cido que conte conosco, vamos ser parceiro aí do seu trabalho, dizer aos prefeitos e prefeitas aqui da região que contem conosco também, os nossos deputados, o Dilador, o Camarinha, os nossos parlamentares, lideranças aqui da região, nós vamos trabalhar muito juntos e especialmente, dar os parabéns à Araçatuba, que ganha aqui um equipamento público, que é considerado pela população como top, pela qualidade e pelo serviço que presta.

Parabéns a todos!