Alckmin discursa em entrega do AME de Franca

Geraldo Alckmin: Obrigado! Muito bom dia a todas e a todos. Dizer da alegria de voltar a Franca, saudar o nosso prefeito anfitrião, Sidnei Franco da Rocha; o vice-prefeito, o Ari Pedro Balieiro; o presidente da Câmara, vereador Marco Antônio Garcia, pessoa em nome de quem quero cumprimentar todos os vereadores aqui de Franca e […]

seg, 28/02/2011 - 18h10 | Do Portal do Governo

Geraldo Alckmin: Obrigado! Muito bom dia a todas e a todos. Dizer da alegria de voltar a Franca, saudar o nosso prefeito anfitrião, Sidnei Franco da Rocha; o vice-prefeito, o Ari Pedro Balieiro; o presidente da Câmara, vereador Marco Antônio Garcia, pessoa em nome de quem quero cumprimentar todos os vereadores aqui de Franca e região; deputados federais, o Duarte Nogueira… O Duarte Nogueira está aqui à direita. Um passinho aqui, Nogueira. Nogueira é o líder da bancada do PSDB na Câmara Federal, lá em Brasília. Deputado federal, doutor Ubiali, nós estamos muito felizes com a sua presença na Câmara Federal. Quero saudar aqui o Airton Sandoval, nosso sempre deputado, o nosso senador. Deputados estaduais, o Roberto Engler, o Gilson de Souza; e vejo aqui o Milton Baldochi, que foi meu colega quando eu fui deputado estadual. Venha para frente aqui, Milton. Quero saudar o secretário de Estado da Saúde, muitos aqui ainda não o conheciam, o professor Giovanni Cerri, professor catedrático da faculdade de medicina da USP, diretor da faculdade de medicina da USP duas vezes, saiu da diretoria para assumir a secretaria e presidiu o Instituto do Câncer, o Icesp, que é uma referência internacional no diagnóstico e tratamento do câncer no país. Queria saudar o nosso bispo, dom Pedro Luiz Stringhini, dizer da alegria, dom Pedro, de estar com o senhor, saudar todos os pastores, padres aqui presentes. O prefeito de Miguelópolis, o Vergílio; Buritizal, o Aguiberto; de Rifaina, Hugo; Igarapava, Molina; Batatais, Zé Luis; São José da Bela Vista, o Zé Benedito Barcelos, aliás, é filho do doutor Barcelos, é isso? Sobrinho. Cadê o…?

Geraldo Alckmin: Sobrinho. Cadê o…

Locutora desconhecida: Mauro

Geraldo Alckmin: Ah, perfeito. Mas você é o de… Eu vou chegar lá. Está aqui… Patrocínio Paulista, José Mauro Barcellos. Você é sobrinho? Médico também ou não? Recebe a certidão e já o diploma de médico. Eu sei. O seu pai também é médico?

Locutora desconhecida: E os três irmãos.

Geraldo Alckmin: E os três irmãos. Ituverava, o Mário Matsubara; Ipuã, o Itamar; Cristais Paulistas, o Hélio; Restinga, o Ivanildo; Pedregulho, o Dirceu Pólo; Itirapuã, Marcos Henrique; Jeriquara, o Alexandre Borges; saudar o coronel Renato Catita, comandante; Luís Aurélio Prior, que é o presidente da Fundação da Santa Casa de Misericórdia; Onofre Trajano, presidente do Conselho de Administração da Santa Casa; o Vilmar Martins Medeiros – cadê o Vilmar? Está lá atrás? Dá um passinho aqui, Vilmar. O Vilmar é o gerente administrativo aqui do AME. Então, qualquer reclamação, pode procurar o Vilmar aí. Aparecida Yamada, coordenadora da implantação dos AMEs. Uma grande alegria saudar o doutor Cirilo Barcelos, que dá nome ao AME, é o nosso patrono. Nós ficamos muito felizes, doutor Cirilo, com o seu patronato. O AME vai se inspirar na sua vida de dedicação à saúde da nossa população. Saudar a sua esposa, Cacilda; seus filhos, filhas; toda a família. Quero cumprimentar aqui os nossos amigos, amigas

Tem uma história… O nosso queridíssimo Sidnei, de um prefeito – não é o Sidnei Franco da Rocha – que fazia muitas citações, e aquilo era muito demorado. E aí o governador, com pressa, chamou o prefeito e falou: “Prefeito, economia processual. Duas citações, só duas. Vai em um hospital: profissionais de saúde e pacientes; vai em uma escola: professores e alunos; você vai em um local com muita gente: senhoras e senhores. Olha, duas citações. Vamos ganhar tempo”.

Aí o governador foi embora, uns meses depois houve um solenidade no cemitério municipal e a secretária já veio com 50 fichas para o prefeito citar, ele lembrou do governador, guardou as fichas, pensou, pensou, falou: “Meus conterrâneos e meus subterrâneos…”.

Mas, amigos e amigas, é uma alegria estarmos juntos aqui para gente… Na realidade, a obra foi feita pelo Serra, pelo Goldman, já está pronto, inaugurar não é importante, o importante é que ela funcione e funcione bem. Para poder atender a nossa comunidade. Nós estamos entregando o último pavimento. O doutor Giovanni colocou, em saúde, o caro não é investimento, o caro é custeio. Então, aqui foi investido R$ 3,9 milhões na parte física, de readequação do prédio, e R$ 3,1 milhões em equipamentos, informatização. Sete milhões. E vamos gastar por ano, só para manter, só de custeio, quase R$ 12 milhões, é R$ 1 milhão por mês. Cada ano são 40. E não tem um centavo do SUS federal, porque São Paulo, como abriu muitos serviços, extrapolou o teto. O SUS, além de pagar pouquinho, ele estabelece um teto. Então, você cria um serviço novo, não tem teto. Então é 100% dinheiro do povo de São Paulo, dos impostos e do Tesouro paulista. Nós estamos até lutando junto ao Governo Federal para aumentar o teto de São Paulo. Por quê? Porque nós atendemos o Brasil todo. Alta complexidade, metade dos transplantes do país é feito no Estado de São Paulo. Não vem gripe para cá. Todo caso de alta complexidade, politrauma, doenças degenerativas, então nós vamos fazer um esforço, tem aqui dois deputados federais, o Nogueira e o Ubiali, para a gente melhorar o teto de São Paulo, para poder incluir os serviços e com isso a gente poder expandir e fazer mais.

Nós estamos também liberando, este ano, mais R$ 3,9 milhões – está sendo liberado hoje, não é, Giovanni? – para a Santa Casa de Misericórdia, no Programa Pró-Santa Casa. Então, esse não é para o AME, é para a Santa Casa, que é quem atende o SUS. Então, R$ 3,9 milhões, já foi liberado mais R$ 900, dá R$ 4,9 milhões praticamente. E vamos liberar também para a Santa Casa de Misericórdia de Ituverava, são R$ 420 mil, mais R$ 250 (mil) de investimento, dá R$ 670. Santa Casa de Patrocínio Paulista, R$ 126 mil, e Santa Casa de Pedregulho, mais R$ 126 mil. Nós vamos apoiar todas as Santas Casas. Os melhores parceiros que nós podemos ter é a sociedade civil organizada. Santa Casa, APAE. Liberamos R$ 128 milhões para as APAEs do Estado de São Paulo. Então são boas parcerias: entidades que não visam lucro, não é para ganhar dinheiro, têm um trabalho voluntário e atendem bem a comunidade. E atendem de graça, atendem quem precisa.

Queria também dizer que o AME vai atender aqui os 10 municípios, então ele beneficia toda região, ele ajuda a melhorar a resolutividade das unidades de saúde, precisa de um neurologista, oftalmologista, cardiologista, ortopedista, dermato, endócrino… Então, melhora a resolutividade e evita tudo ir para o hospital. Então ele vai ter 150 cirurgias por mês, exames, diagnósticos, enfim, ele tem um conjunto enorme de especialidades. Inclusive psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, equipes multiprofissionais.

Ainda na saúde queria destacar aqui à Franca, os investimentos na área da Sabesp. Nós vamos investir aqui em Franca, no sistema Sapucaí, para ter mais segurança no sistema de abastecimento de água. Nessa primeira etapa R$ 93,8 milhões, as obras já estão licitadas, contratadas. Uma nova captação, 1.023 litros por segundos. Franca está entre as 18 maiores cidades do Estado de São Paulo, um grande polo de desenvolvimento. Vamos reforçar muito o abastecimento de água, uma nova estação de tratamento de água, quatro estações elevatórias, três reservatórios, 10,5 quilômetros de linha de transmissão.

E já autorizamos uma segunda licitação do segundo lote, mais R$ 72,3 milhões, R$ 166 milhões ao todo. Não há nada mais importante do que água de qualidade, grande parte das doenças do aparelho digestivo são contraídas por água contaminada. E o corpo humano, 70% do corpo é água. Um bebezinho, eu vi agora a pouco, um nenenzinho aqui lindo, bisneto do Cirilo, 80% do corpo é água. Quando a gente vai ficando mais velho, vai ficando mais enxuto. É verdade, precisa tomar mais água. E queria aqui também dizer, agradecer e dizer o seguinte, vindo para cá eu estava torcendo para chegar logo, porque o Sidney só ia no pedido ali. Mas nesse pequeno trajeto, nós… O Rubens Cury, já vai anotar aí, Rubens? Então tem duas parcerias que nós vamos fazer: uma parceria é para o aeroporto da cidade está ligado através… O aeroporto, ele se liga a cidade pela antiga SP-336 que foi municipalizada, então nós vamos passar o dinheiro para a Prefeitura para ter mão dupla, pra ter… Ficar duplicada a avenida, a avenida com as obras… Fazer a avenida e as obras de arte, obras de segurança. Então é R$ 1 milhão e 800 mil para abertura da avenida com duas pistas que vai resolver o problema dos bairros e melhorar o acesso ao aeroporto estadual. Então o Rubens já anota lá, já libera.

E a outra é a Casa do Artista Francano, nós passamos aqui em frente e a Prefeitura desapropriou, a Prefeitura desapropriou as casas, as fachadas vão ser mantidas, porque ela tem um valor histórico, mas por dentro da área sai o complexo cultural com teatro, centro de exposições, artesanato, biblioteca, enfim, toda a área cultural, aqui pra Franca. O valor aqui está meio salgado, R$ 2,8 milhões, mas nós vamos fazer uma parceria, nós vamos ajudar imediatamente a começar as obras aí, do complexo cultural. Contam… Contam uma história de uma parceria, viu, Sidnei, de um médico que não é o doutor Cirilo, viu! Não é o doutor Cirilo. É da minha cidade, chamava doutor Lessa. Tinha fama de ser econômico, tal, daí naquele tempo antigo, senhor Pascoal foi consultar com o doutor Lessa. Consultou, na hora de ir embora falou doutor… doutor Lessa , eu não tenho como pagá-lo, mas eu sou alfaiate, então se um dia o senhor precisar de que pregue um botão, eu estou à sua disposição. Dizem que no outro dia o doutor Lessa pôs um botão dentro do envelope e mandou o bilhete pra ele, Pascoal pregue um paletó neste botão, não é?! Espero que a nossa parceria seja melhor, não é, Sidnei?

Mas eu quero agradecer muito aqui os parlamentares: o Duarte Nogueira, doutor Ubiali, o Aírton Sandoval. Os nossos estaduais: o Gilson, o Roberto Engler, vocês tem ótimo deputados aqui na cidade e na região! Cumprimentá-los pelo trabalho, pelo trabalho do meu querido Milton Baldochi que fez muito aqui, pela cidade, está aqui. Agradecer aqui aos vereadores, agradecer ao doutor Cirilo, um belíssimo exemplo de médico, de pessoa dedicada à saúde, a sua família, a dona Cacilda. E cumprimentar aqui esse grande prefeito, que é o Sidnei Franco da Rocha, vocês têm um prefeito batuta aqui. E uma palavra aqui ao Prior e a equipe da Santa Casa, eu sou fã de Santa Casa, sou um apaixonado. A primeira Santa Casa do Brasil é de Santos, 1543, é Braz Cubas, na origem do Brasil. Essa foi uma boa herança lusitana, ela é uma herança de Portugal.

E contam que a Rainha Leonor de Avis, era uma das mulheres mais ricas da Europa, século 16, na época das grandes navegações, mulher riquíssima. E que ela disse que quando morresse, ela queria… e ela foi a precursora dos hospitais beneficentes, das Santas Casas de Misericórdia. Então, dizia a rainha Leonor de Avis, que quando morresse queria ser enterrada no local de passagem, para que todos pisassem sobre a sua tumba, para lembrar a pequenez das coisas materiais frente à grandeza da eternidade. Isto é Santa Casa, essa é o que inspirou o surgimento do modelo das Casas de Misericórdia, das Santas Casas do Brasil e são o grande parceiro do Governo para a gente atender pelo SUS, de graça.

Uma vez perguntaram a um francês, está um filme muito bem feito do Michael Moore, chamado “S.O.S Saúde”, então ele mostra os modelos: saúde, direito. França, Inglaterra, Canadá, a Europa inteira. Saúde, negócio. Ganhar dinheiro, instrumento do comércio, grandes fortunas se fizeram na saúde, modelo americano. O Michael Moore mostra… e na França perguntam a um casal que sai de um hospital com uma criança no colo, quanto eles pagaram, e ele não entende, porque não é possível a ele entender que precisa pagar para nascer, precisa pagar para morrer, pagar para ser atendido, é direito das pessoas. E nós, quem quiser fazer seguro saúde ótimo! A saúde é livre, a iniciativa privada, mas o Estado tem o dever de ter um serviço de qualidade, e o AME é um serviço de qualidade.

E quero trazer uma palavra de estímulo ao professor Guiovanni Cerri, que montou uma belíssima equipe para a gente servir e servir bem a população.

Parabéns a Franca!