Alckmin discursa em entrega da Etec de Itararé

Geraldo Alckmin: Boa tarde a todas e a todos. Cumprimentar o nosso prefeito anfitrião, o César, agradecer o chapéu. Eu sempre tive vontade de ter um chapéu bonito desse. Muito obrigado, César, cumprimentar a Regiane, também, Lúcio, sua filha. Orador não identificado: É para usar o chapéu. Geraldo Alckmin: E careca precisa de chapéu né? […]

seg, 14/02/2011 - 7h00 | Do Portal do Governo

Geraldo Alckmin: Boa tarde a todas e a todos. Cumprimentar o nosso prefeito anfitrião, o César, agradecer o chapéu. Eu sempre tive vontade de ter um chapéu bonito desse. Muito obrigado, César, cumprimentar a Regiane, também, Lúcio, sua filha.

Orador não identificado: É para usar o chapéu.

Geraldo Alckmin: E careca precisa de chapéu né? O vereador Rubens Vieira Prestes, o presidente da Câmara, saudando aqui os vereadores. Vocês têm um vereador forte aqui, o João da Égua. Agora, Itapeva ganha…Porque Itapeva tem o Tarzan. Cumprimentar o Deputado Federal Milton Monte, nos alegra muito o nosso representante de São Paulo e da região do Congresso Nacional. Deputado Edmir Chedid, deputado estadual, ambos muito bem votados na região de Itararé. O vice‑prefeito de Itapeva, deputado estadual eleito, Ulysses Tassinari, que toma posse agora dia 15 de março. O Marcos Penido, dá um passinho, Marcos. Marco Penido é o secretário adjunto da área da habitação, então, tendo terreno aqui, César, o Edmir falou vamos fazer casa aqui, para o pessoal sair do aluguel. Está aqui, conosco, o deputado Paulo Alexandre Barbosa, que é secretário de Estado do Desenvolvimento Social, e nós vamos fazer um trabalho grande aqui, na área social. Então, contem com o Paulinho para a gente trabalham juntos.

A professora Laura Laganá, a nossa queridíssima presidente do Centro Paula Souza, cumprimentar a Maria Luiza Cortes Cavazotti, diretora aqui dessa belíssima ETEC de Itararé. Prefeito de Ibiúna, que veio de longe, cadê o Coiti Muramatsu, prefeito de Ibiúna. A Cecé Taquarivai, que está aqui atrás, Cecé querida. Piraju, estava com a gente, deve estar aqui o Chico Pipoca. Nosso guru, mais experiente de todos nós. O prefeito de Bonsucesso Itararé, o Dirceu Pacheco, que está aqui conosco, Dirceu, Barão de Antonina, Francisco Neres, está aqui o Chico. Prefeito de Avaré, Rogério. Itapetininga, o Roberto Ramalho. Itapeva, de onde nós saímos agora, o Cavani, o nosso prefeito Cavani, prefeito de Avaré, ô Cavani, o Rogélio Barcheti, recebeu o título de cidadão avareense. Porque ele, embora prefeito de Avaré, ele é nascido em Taubaté, então recebeu o título, César, eu fui à entrega do título e teve, eu contei 23 discursos. Discurso do presidente da Câmara, vereador, ex‑prefeito, três deputados, o presidente do partido, vice‑prefeito, eu, o representante dos funcionários, o padre, o pastor, o representante da imprensa… Altas horas, depois de 23 discursos, acho que acabou, né? Aí não, aí o hino de Avaré, e aí tocou o hino, e aí a vida do prefeito, do Rogério, dois filmes. Um filme dos mistérios da infância e da juventude e depois a parte política. No segundo filme… travou a máquina, vai buscar o técnico. Agora acabou? E aí entram os trovadores de Avaré para tocar uma música e tal, amigos para sempre. E finalmente o prefeito fez o discurso, metade em latim, e aí era 1h40 da madrugada e anunciaram: “Olha, agora vai ter o coquetel”, e aí eu não resisti e pedi a palavra, falei: “Olha, acho que podia ser o café da manhã”. Mas foi muito bonita a homenagem.

Saudar o maestro Lauro César, regente da banda marcial; o maestro Gerson Gorski, do conservatório de música; os pastores, o Rodrigo Jorge Fadel, Miguel Jorge Fadel Neto, Sandro Heleno. Secretários municipais, amigas, amigos, eu vi aqui o ex-prefeito Floriano, queria cumprimentá-lo.

Mas é da grande alegria, César. Nós tivemos aqui o ano passado, era uma classe descentralizada da Etec de Itapeva. Então aqui começou como uma classe descentralizada. Hoje é a Etec de Itararé, essa beleza aqui de prédio que a prefeitura construiu, já começamos com dois cursos técnicos: comércio, aqui é um pólo comercial de comércio importante, contabilidade, e este ano um novo curso, que é administração. Então, três cursos já aqui na Etec, ela já começa já se expandindo. No período da noite quatro alunos por vaga, é uma demanda muito importante também. Laboratório de informática, a Etec está toda montada. E o que acontece hoje no mundo moderno? Tem muita gente desempregada.

A gente sai na rua e volta com o bolso cheio de bilhete: “Minha mãe pediu, meu irmão está desempregado, minha irmã precisa trabalhar.” E de outro lado, muita vaga não é preenchida por falta de qualificação. Então você tem um paradoxo, de um lado pessoas desempregadas; de outro lado, vaga sobrando. A Etec é exatamente para fazer esse bom casamento entre a necessidade de mercado de trabalho e a formação profissional, de acordo com a vocação de cada região do nosso Estado. Curso um ano e meio, três semestres, e a pessoa já sai preparada e cada cinco formandos, no primeiro ano, quatro já estão empregados. Então, cada cinco que se formam, quatro já praticamente saem trabalhando e podem continuar os estudos, fazer Fatec, universidade. Nós vamos expandir a Unesp lá em Itapeva, vamos ter outros cursos das engenharias e de outros cursos da área tecnológica, na área universitária, e a pessoa já consegue um emprego para poder ir se mantendo e se quiser, poder fazer outros cursos. Então, parabéns César, olha, belíssima obra, belíssima parceria. Daqui, se a gente conseguir mais o laboratório de ciências e uma quadra, nós podemos fazer aqui também o ensino médio, que está entre os 50 melhores escolas do ensino médio do Brasil.

Das escolas públicas estaduais avaliadas pelo Enem, que avalia o ensino médio, das 50 melhores do Brasil, 35 são Etecs do Estado de São Paulo, do país, das 50. E aí, nós poderemos ter, César, o integrado, é a escola de tempo integral. O aluno já faz o ensino médio e o técnico, já sai com os dois diplomas no chamado integrado. Também temos a SP 281, que começou já o recapeamento, e eu, do carro eu já vou ligar para o Clodoaldo do DR, porque eles começaram lá no trevo, e nós vamos puxar aqui para a cidade, vai dar mais 800… Então vamos recapear, fazer o recapeamento completo da cidade, aqui da avenida aqui da entrada, até o trevo, e depois vai recapear lá para cima toda a SP 281. Eu sei que tem algumas estradas ainda com buraco, mas nós vamos recuperar toda a malha rodoviária do Estado de São Paulo. Onde tiver uma SP, ela tem que estar recuperada. Mas queria agradecer muito a vocês, e trazer uma palavra, Laura, para a sua diretora aqui, a Maria Luiza. E é interessante, as coisas que a gente faz na vida, a gente precisa fazer realmente com emoção, com garra, com empenho, isso faz uma diferença enorme. Então essa sua emoção, essa sua vibração, da Laura, que é de todos nós, professores, funcionários, isso é que faz a diferença do Paula Souza. Eu, quando era estudante de medicina, fui fazer projeto Rondon em Itauçu, em Goiás. E aí, um domingo, pegamos lá uma carona num caminhão de transporte de boi, eu e os colegas que estávamos lá 40 dias como estudantes de medicina ajudando lá Itauçu, nós fomos a Goiás Velho, vila boa de Goiás, primeira capital de Goiás, antes de Goiânia, que Goiânia é uma cidade criada pelo homem, uma cidade preparada para ser capital.

A capital antiga era Goiás Velho. E na cabeceira do Rio Vermelho, da ponte do Rio Vermelho, morava a poetisa Cora Coralina. E nós fomos visitá-la. E ela falou: “Olha, quem nunca teve um professor com que se emocionou, nunca teve um professor”. Professor muda a vida da gente, ele mexe com o nosso coração, ele marca a nossa vida. Então, isso faz uma enorme de uma diferença. E não há nada mais importante em uma cidade, eu diria que os pontos cardeais de uma cidade, a escola, a Santa Casa, a unidade de saúde, a igreja, esses são as questões mais importantes. Asfaltar… é importante asfaltar, quem não gosta de um asfalto? Mas isso é administrar para o automóvel, administrar para o ser humano é educação e saúde, essa é a absoluta prioridade.

Vamos trabalhar, vamos suar a camisa. Eu vi… Em quanto tempo foi feita essa obra César? Um ano, 11 meses. Então, vocês vejam que esse chapéu é poderoso. Eu ganhei o chapéu, eu vou vestir… Vou usar o chapéu de Itararé, para gente poder mandar bala aqui nas obras, nas realizações, contem conosco. Itararé é a primeira, é por aqui que nós entramos em São Paulo. É a primeira, é a entrada de São Paulo. E nós queremos… Tem aluno até do Paraná aqui, e nós queremos receber bem quem chega em São Paulo. Então, conte comigo, nós vamos deixar isso aqui um brinco, a cidade um capricho, para atender bem à comunidade.

Muito obrigado. Parabéns, Itararé.