Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação

cover-desenvolvimento-economico

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação – SDECTI trabalha para promover o crescimento econômico sustentável, aprimorar os ensinos superior, técnico e de graduação tecnológica e estimular a inovação no estado de São Paulo, com adoção de políticas públicas voltadas à geração de emprego e renda e ao fomento do empreendedorismo e da competitividade do setor produtivo.

Criada em 1965, a pasta passou por diversas mudanças. Em novembro de 2011, a então Secretaria de Desenvolvimento deu lugar à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia. Com a reformulação de sua estrutura, a secretaria passou a fortalecer o apoio ao micro e pequeno empreendedor, a atrair investimentos, incentivar a pesquisa científica e tecnológica e expandir o acesso aos ensinos superior e profissionalizante.

Em novembro de 2013, a nomenclatura da pasta teve a inclusão da palavra Inovação. Além disso, a Subsecretaria do Trabalho Artesanal nas Comunidades – Sutaco também passou a fazer parte da SDECTI e a Coordenadoria de Ciência e Tecnologia ganhou o título de Subsecretaria.

Veja abaixo as principais realizações do Governo do Estado nos principais eixos de atuação da SDECTI:

PROGRAMAS E AÇÕES

CENTRO PAULA SOUZA

Maior rede pública de ensino técnico e tecnológico do Brasil, o Centro Paula Souza cresceu ainda mais entre 2011 e 2017: nesses seis anos e meio foram entregues 29 novas Escolas Técnicas – Etecs e 19 Faculdades de Tecnologia – Fatecs.

Com as novas unidades, as Etecs ganharam mais de 11 mil novos alunos. Já o número de matrículas nas Fatecs saltou de 46.332, em dezembro de 2010, para 80.922, em julho de 2017, um aumento de 86,7%.

UNIVERSIDADE VIRTUAL DO ESTADO DE SÃO PAULO – UNIVESP

Criada em 2012, a Univesp é a primeira universidade virtual do Brasil e se tornou a quarta universidade estadual paulista, com cursos exclusivamente semipresenciais. Os cursos são gratuitos e as aulas presenciais são ministradas em 100 polos instalados em 63 municípios.

Em agosto de 2017 a Univesp realizou a maior oferta de vagas feita de uma só vez nas universidades estaduais de São Paulo, com a matrícula de 16.780 novos alunos aprovados no vestibular, 85% deles oriundos de escolas públicas.

NOVOS CURSOS DE GRADUAÇÃO (USP E UNESP)

Entre 2011 e 2017 foram criados mais nove novos cursos na USP, que também ganhou um novo campus da Escola Politécnica – Poli, em Santos. Com essa ampliação, foram criadas mais 420 vagas no vestibular da maior universidade da América Latina.

A Unesp, por sua vez, expandiu-se com a criação de 14 novos cursos de graduação e 26 novos programas de pós-graduação, o que elevou o número de alunos matriculados de 47.289 para 52.678.

EXPANSÃO DO ENISNO SUPERIOR PAULISTA

Com a criação de mais 19 Fatecs, a Univesp, nove novos cursos na USP e outros 14 cursos Unesp, o número de alunos em cursos superiores públicos aumentou 40% desde 2011. Os matriculados em cursos que dão diploma de nível superior saltaram de 143.377, em 2011, para 197.808, em 2017, o que significa que 54.431 novos estudantes foram admitidos no ensino superior público paulista nos últimos sete anos.

COTAS SOCIAIS

Em 2017, estudantes oriundos de escolas públicas representam, pela primeira vez, metade dos matriculados na Unicamp e na Unesp.

A USP segue no mesmo caminho e já tem 37% dos alunos oriundos de escolas públicas. Com a nova política institucional de cotas sociais e raciais aprovada este ano, a porcentagem deverá ser de 50% até 2021.

10% DO ICMS PARA O ENSINO SUPERIOR

As universidades estaduais paulistas (USP, Unesp e Unicamp) são as únicas do país a contar com plena autonomia administrativa e pedagógica, com direito adquirido por lei a uma fatia de 9,57% da arrecadação do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços –ICMS recolhido em São Paulo.

Esse percentual chega a 10% se somadas as 66 Faculdades de Tecnologia do Centro Paula Souza – Fatecs; a Universidade Virtual do Estado de São Paulo – Univesp; a Faculdade de Medicina de Marília – Famema e a Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto – Famerp, que administram hospitais no Interior.

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO – FAPESP

O artigo 271 da Constituição Estadual determina que 1% da receita tributária paulista seja repassada à Fapesp. Com isso, o volume de recursos desembolsado pela fundação com projetos de pesquisa científica e tecnológica somou, no período de janeiro de 2011 a maio de 2017, R$ 6,8 bilhões.

Nesses últimos seis anos, a Fapesp contratou em média 11,7 mil projetos por ano, totalizando 70.314 novos projetos de pesquisa.

AGÊNCIA PAULISTA DE PROMOÇÃO DE INVESTIMENTOS E COMPETITIVIDADE – INVESTE SP

Entre 2011 e junho de 2017, um total de 163 projetos de investimento, de diversos setores, em 74 municípios, foram apoiados pela Investe SP, gerando R$ 34,4 bilhões de investimento e 56.500 empregos.

Além disso, em 2015 a Investe SP lançou o SP Export, com o objetivo de aumentar o volume de exportações do estado. A iniciativa já apresenta resultados: em 2016 houve um aumento de 126,1% na quantidade de empresas paulistas que enviaram seus produtos ao exterior pela primeira vez em relação ao ano anterior. Foram 2.010 empreendimentos estreantes no mercado internacional, contra apenas 889 em 2015.

VIA RÁPIDA

Lançado em julho de 2011, o Via Rápida oferece capacitação profissio­nal gratuita em 60 tipos de cursos gratuitos e de curta duração aos cidadãos que buscam ingressar no mercado de trabalho ou abrir o próprio negócio. A iniciativa já atendeu mais de 300 mil pessoas em 645 municípios.

 

Serviços e informações

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

Avenida Escola Politécnica 82, Jaguaré – São Paulo (SP) – CEP 05350-000

(11) 3718-6500

E-mail: secretaria@desenvolvimento.sp.gov.br

Visitar site

Mais ações de governo